Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Amostras de Livros
 
Amostras do Campeões de Valor

Por Thomas M. Reid e Sean K. Reynolds.
Tradução por Fernando Brauner; revisado por Ricardo Costa.

Amplie os limites de seu valoroso personagem com o suplemento para Forgotten Realms: Campeões de Valor. A contraparte do Campeões de Ruína, Campeões de Valor cobre o que significa ser valoroso nos Reinos. Não somente você pode descobrir mais sobre as várias guildas de boa tendência e organizações que o seu personagem pode se unir, mas também pode somar os benefícios por uni-los a seu jogo. Adicionalmente, o livro lhe proporciona um conjunto de magias novas, talentos, e classes de prestígio apropriadas para os heróis valorosos. As amostras abaixo incluem informações sobre várias opções de personagens, uma classe de prestígio, e alguns artigos. Para texto da Introdução, confirme as pré-estréias de outubro 2005.

O Que Você Precisa para Jogar

Para usar este suplemento, você precisa também do Livro do Jogador de Dungeons & Dragons, o Livro do Mestre, o Livro dos Monstros, mais o Cenário de Campanha de Forgotten Realms. Também são feitas muitas referências nestas páginas ao Raças de Faerûn, ao Guia do Jogador para Faerûn, e o Magia de Faerûn.

Nós também recomendamos o Livro dos Grandes Feitos, Raças de Pedra, Raças do Destino, e Raças Selvagens. Embora você não precise nenhum desses livros para usar este aqui, algumas idéias específicas e conceitos de jogo apresentados nesses livros aparecem aqui em uma forma limitada, e você pode achar mais detalhes no livro apropriado. Por exemplo, este livro sugestiona modos para incorporar o goliaths (uma raça nova de Raças de Pedra) em uma campanha de Forgotten Realms, mas só inclui uma pequena quantidade de informação na raça de goliath; se você quiser mais informação sobre goliaths, recorra a Raças de Pedra.

Vários outros livros são referenciados aqui. Em muitos casos, esta referência está na forma de uma abreviação em sobrescrito do título do livro que é alinhavado sobre o fim do nome de um feitiço, monstro, ou algum outro pedaço de informação. Os livros (incluindo alguns desses mencionados acima) e as abreviações deles, quando aplicável, são como segue: Livro dos Grandes Feitos (Book of Exalted Deeds) [BE], Campeões de Ruína (Champions of Ruin) [CR], Livro Completo do Guerreiro (Complete Warrior) [CW], Impérios Perdidos de Faerûn (Lost Empires of Faerûn) [LE], Magia de Faerûn (Magic of Faerûn) [Mag], Guia de Jogador para Faerûn [PG], Raças de Faerûn (Races of Faerûn) [Rac], e Oriente Inalcansável (Unapproachable East) [Uma].

Arquétipos de Herói Valorosos

Um mago valoroso confronta os seus inimigos mais sombrios.

É fácil encontrar arquétipos de personagens valorosos para cada uma das onze classes padrões do Livro do Jogador. Embora muitos dos arquétipos possam parecer, no início, serem clichês, estes só os são porque estes personagens definiram o arquétipo, e os escritores que se seguiram basearam os seus heróis deste tipo nestes arquétipos. Nem todo herói valoroso tem que ser algo novo e sem igual no mundo; há um lugar no jogo para o paladino corajoso simples ou ladrão com um coração de ouro. Os personagens seguintes são exemplos de arquétipos de heróis valorosos da classe deles.

Bárbaro: O arquétipo de bárbaro valoroso é o "selvagem nobre", um homem ou mulher de terras incivilizadas que confronta o mal quando ele ou ela o encontra, embora suas ações poderiam ser escarnecidas ou depreciadas por outros. O personagem mais famoso de Robert E. Howard, Conan, tem coragem notável em batalha e instintos para sobrevivência; embora quase não seja um homem de virtude, Conan fez a parte dele ao batalhar contra magos e monstros horríveis quando tais coisas precisaram ser feitas. Elementos do aspecto berserker da classe de bárbaro são comuns em contos escandinavos; os maiores guerreiros mortos na batalha vão para Valhalla para esperar o Ragnarok quando a força deles será necessária para lutar contra os gigantes de gelo no término do mundo. O herói celta Cú Chulainn também é um bárbaro, entretanto enquanto alguns o consideram um bardo por causa das suas origens célticas, ele era verdadeiramente um guerreiro poderoso na batalha, e o espasmo de deformação dele (fúria) fisicamente o transformou em algo estranho e terrificante. Em Faerûn, os berserkers de Rashemen, que lutam pela liberdade da terra deles derramando sangue em batalha com os Arcanos Vermelhos de Thay, são às vezes valorosos bárbaros.

Bardo: O bardo de D&D deriva quase completamente dos bardos célticos: esses músicos que espalharam sabedoria, conhecimento registrado e história na forma de canção, e usavam a sua música para moldar a linha entre o natural e o sobrenatural. Os gregos e escandinavos também tiveram uma tradição de bardica forte, com a Ilíada, a Odisséia, e os eddas poéticos e em prosa passados oralmente por gerações através dos bardos (assim, Homero e Snorri Sturluson poderiam ser considerados bardos). A influência da cultura céltica nos bardos dos Reinos Esquecidos é clara: Oghma é o deus céltico de bardos, Silvanus é o deus céltico de natureza, e um dos grupos de bom-alinhamento mais onipresente é o dos Harpistas. Em Faerûn, os Harpistas e os elfos são fontes comuns de bardos valorosos.

Clérigo e o Druida: Ao servir os deuses ou natureza, os clérigos são uma mescla de ficção e história. Frei Tuck era um padre valoroso, e apesar de na maioria das histórias modernas ele desempenhar um papel secundário frente à Robin Hood, ele era igual a ele tanto na espada quanto no arco. Por um exemplo Bíblico, considere Moises; contrariando a família real que o adotou, ele se arrisca a morte pela causa da classe de escravos, enquanto usa magia divina para coagir e batalhar contra os inimigos do seu povo. Cathbad é um druida dos contos de Cú Chulainn, pai de um rei e orador da profecia que convenceu Cú Chulainn a pegar em armas e se tornar um grande herói. Faerûn tem muitos exemplos de clérigos valorosos, Cadderly (o Escolhido de Deneir) sendo um dos mais poderosos.

Guerreiro: O William Wallace da Escócia ("Coração Valente") era um guerreiro valoroso; o filho de um baixo cavaleiro, ele uniu os clãs do seu povo para livrar-se do jugo opressivo de um líder estrangeiro, voltou da morte aparente, e foi capturado e executado por suas ações. Cel. Robert Gould Shaw (uma pessoa real em quem o filme Glória é baseado) é um guerreiro valoroso mais recente; ele lutou ao lado do Norte na Guerra Civil americana porque acreditava na abolição da escravidão, lutando contra o preconceito no próprio exército por causa dessas convicções, e deu a vida dele no campo de batalha. Os Dragões Púrpuras de Cormyr produzem freqüentemente os guerreiros valorosos.

Monge: Combate desarmado possui muitos estilos, e data mais de mil anos atrás. O general chinês e autor Qi Jiguang do século XVI é um artista marcial extremamente importante; ele ensinou os seus soldados técnicas de combate desarmado e treinamento mental para construir coragem, lhes permitindo derrotar os piratas japoneses em armaduras que estavam atacando as províncias orientais. Li Mu Bai em O Tigre e o Dragão é um artista marcial honrado aposentado, que teve de novamente pegar a sua espada para parar um ladrão misterioso e uma mulher perversa que assassinaram o seu mestre. (Muitos personagens do período mítico "Jiang Hu" da história chinesa poderiam ser os monges valorosos no D&D.) Os membros de vária ordens de monges faerûnianos (veja página 25 do Cenário de Campanha de Reinos Esquecidos) são arquetípicos de monges valorosos.

Paladino: O arquétipo do paladino valoroso vem principalmente das histórias do Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda, entretanto alguns destes cavaleiros eram menos que perfeitos. Outros exemplos dos "guerreiros escolhidos pelos deuses" são Joana D´àrc, o samurai a serviço de um bom e honrado senhor, e Hiawatha, que espalhou paz e lei entre as tribos nativas americanas, enfrentando um estranho magoicom cabelos cobra e finalmente fundando as Cinco Nações dos Iroquois. Como membros da única classe padrão D&D com uma exigência de alinhamento boa, muitos paladinos são personagens valorosos. É provável que paladinos valorosos se pareçam em qualquer ordem de Paladinos de Faerûn, entretanto os seguidores de Torm e Tyr parecem ser dirigidos ao valor.

Ranger: Os rangers de Tolkien, particularmente Aragorn, são o modelo para os Rangers de D&D — o sábio do bosque, a espada forte, protegendo a sua pátria caída de um mal antigo com o melhor que eles podem (é digno de nota que em edições prévias do jogo, rangers tinham que ser bons). Em mais recentes fontes, o Príncipe Gwydion das Crônicas de Prydain, de Lloyd Alexander, é claramente um ranger nobre (entretanto como um personagem secundário ele adquire menos páginas que o protagonista plebeu), um líder de homens, qualificado nas magias dos bosques, e valente na batalha. Tarzan é outro arquétipo de ranger valoroso; embora incivilizado, a ele falta o desejo pela batalha de um bárbaro, e o amor dele pela natureza e a união aos animais o marcam como um ranger. Desde a fundação das Fronteiras Prateadas, que essa terra viu um aumento acentuado no número dos rangers valorosos que patrulham suas florestas.

Ladinos: Robin Hood, apesar de nascido como um aristocrata e treinado na guerra, é um exemplo bom de um ladino valoroso; arriscou se a morte por desafiar um usurpador ao trono, roubando dos ricos para dar aos pobres, e usando truques para derrotar os seus inimigos e escapar das dificuldades. Um exemplo mais moderno é Indiana Jones, um homem bem-educado que revela tesouros a muito perdidos não para os vender, mas os exibir para todos verem, lutando contra nazistas e outros bandidos no processo. Ladinos valorosos podem ocorrer quase em qualquer lugar em Faerûn, lutando contra tiranos em Portão Ocidental ou no Mar da Lua, trabalhando para destruir os males da Montanha Subterrânea.

Feiticeiro e o Mago: Usando os escritos de Tolkien novamente como um exemplo, Gandalf é um mago valoroso. No corpo de um homem velho, um espírito poderoso guia um grupo de heróis em uma busca para salvar o mundo, dá a própria vida para lhes ajudar a escapar, e enfrenta outros males para defender os inocentes. Harry Potter é um feiticeiro valoroso, mesmo sendo pouco mais que um menino quando as suas aventuras começam; ele enfrenta o espírito duradouro do homem que matou os seus pais, combate monstros horríveis que apavorariam e devorariam um menino comum, e outros riscos para salvar os seus amigos. As muitas batalhas de Aglarond contra Thay, produziram um número desproporcional de feiticeiros valorosos naquele país, e a posição de Águas Profundas como o centro do comércio e cultura de Faerûn significa que magos valorosos atravessam seus portões quase diariamente.

Arquétipos Valoros Raciais

Do topo para baixo: os valorosos raptorano, goliath e ilumiano.

Enquanto muitos das raças não humanas de PJs tendem para uma tendência boa, há uma diferença entre jogar com um personagem bom e jogar com um personagem valoroso. Aqui são exemplos de arquétipos valorosos de cada raça no Cenário de Campanha dos Reinos Esquecidos bem como os goliaths, illumianos, e raptoranos se você está os usando em Faerûn.

O Anão Valoroso: Os anões da montanha e da colina inclinam-se a tendências boas, e anões valorosos são os únicos que os bardos anões cantam aproximadamente por gerações. Anões valorosos são os maiores campeões das comunidades deles, caçando com as próprias mãos os membros fugitivos dos grupos de atacantes inimigos se necessário. Dado a segurança relativa da Grande Fenda comparada à muitas das declinantes comunidades de Anões do Escudo (tendência somente invertida nesta geração passada graças a Benção do Trovão), Anões Dourados são menos prováveis em se tornar heróis valorosos que os Anões do Escudo, talvez porque há menos necessidade para eles. Duergar valorosos são excepcionalmente raros; a vida triste da maioria do duergar rapidamente extingue a faísca de nobreza e abnegação entre os anões cinza, e aqueles que resistem o bastante para permanecer com bondade em seus corações dificilmente têm a força para escapar, tornando-se um campeão solitário de alguma causa valorosa.

O Elfo Valoroso: Cada uma das muitas raças de elfos alcançam valor de seu próprio modo. Elfos do sol são freqüentemente os heróis exaltados da raça elfica, limparam o caminho a Encontro Eterno, tornando seguro o trajeto de forma que outros pudessem chegam seguramente a Corte Elfica, e obliterando qualquer mal que ameaçasse os elfos que permaneciam em Faerûn. Os elfos de lua normalmente são os protetores das coisas que os elfos amam no mundo — coisas que os convenceram a ignorar a Retirada. Elfos da lua valorosos são os mais aceitos por outras raças, forjando amizades com os humanos e anões valorosos, unindo contra males que prejudicariam indiscriminadamente. Elfos selvagens, elfos da floresta, e elfos aquáticos são geralmente muito reclusos para levar o manto de grande valor, contentando se a viver nas suas comunidades escondidas, protegidos de maiores perigos. Como os anões cinza, poucos drows têm o potencial para se tornar valorosos e ainda menos conhecem aquele potencial, entretanto alguns podem dizer que Drizzt Do'Urden é um exemplo de um elfo negro valoroso.

O Gnomo Valoroso: Gnomos são muito parecidos com os anões em seus heróis mais valorosos, mesmo que quase nunca apareçam no mundo de superfície, já que a intenção deles é esmagar os inimigos do Povo Esquecido. Gnomos da Rocha são os mais prováveis em ser heróis valorosos que outros gnomos, já que os svirfneblin e gnomos de floresta geralmente tendem a não correr riscos que levam a sacrifícios heróicos.

O Goliath Valoroso: O goliaths tendem para bem global, e sua natureza competitiva e ousada faz que muitos goliaths bons aspirem a serem heróis valorosos. Ironicamente, goliaths são tão competitivos que se um membro de uma tribo se tornar um herói valoroso, outros na tribo tentam freqüentemente exceder os grandes feitos do seu rival, levando os povos que vivem proximos a assumirem que todos os goliaths são, em sua maioria, bravos modelos de bondade.

O Meio-Elfo Valoroso: Porque a maioria dos meio-elfos é descendente de elfos da lua, não é surpreendente que a maioria dos meio-elfos valorosos mistura as tendências de humanos valorosos e elfos da lua, levando o seu valor ao extremo e cuidando de lugares que chamam ao coração elfico. Bons meio-drows, como os meio-orcs, freqüentemente lançam a si proprios zelosamente em buscas valorosas, como que para provar que são indivíduos e não escravos das tendências más dos seus ancestrais não humanos.

O Halfling Valoroso: Porque a maioria do halflings austeros vive em Luiren, muitos assumem que eles são caseiros, mas os austeros têm uma tradição forte de guerreiros, e muitos halflings austeros valorosos se distinguiram em várias batalhas para defender sua a pátria de monstros horríveis. Halflings pés ligeiros têm freqüentemente famílias extensas que extendem por fronteiras múltiplas, e como tal eles são mais prováveis em ouvir sobre mal e injustiça e agir para defender àqueles que amam em lutas desesperadas. Halflings espectrais são os menos prováveis em se tornar os heróis valorosos porque a sua natureza e cultura não recompensam aqueles que chamam a atenção, entretanto os que respondem ao chamado tendem a se tornar grandes libertadores de povos oprimidos — halfling ou outros.

O Valoroso Meio-Orc: Meio-orcs são vistos com desprezo e zombaria na maioria de Faerûn, e os meio-orcs heróis são incomuns. Valorosos meio-orcs não são desconhecidos, entretanto, um número significante de meio-orcs verdadeiramente bons é valoroso, ou para provar eles não são como os orcs ou para reconciliar os males causados pelos antepassados orcs ou humanos. A população de Thesk de orcs zhentarim se misturou bem com os habitantes, e a comunidade deles possui pelo menos um valoroso meio-orc.

O Humano Valoroso: Alguns argumentam que os humanos têm o maior potencial de todas as raças de Faerûn — o maior bem e o maior mal. Partidários da humanidade apontam para Cormyr, Águas Profundas, e Mulhorand como exemplos das realizações de civilização humana; aqueles críticos da humanidade apontam para Netheril, Thay, e Forte Zhentil como a humanidade corrompida por poder. Aparentemente ignorante aos debates, a humanidade continua a cuspir heróis valorosos pelo mundo, tombando pequenos ditadores, matando e pilhando dragões, salvando o mundo e até mesmo e ascendendo a divindade.

O Ilumiano Valoroso: Illumianos valorosos são grandes estrategistas, enquanto planejam a frente e tentam se antecipar aos próximos movimentos dos seus oponentes. Porque eles gostam de mostrar o seu domínio sobre os outros, illumianos não têm nenhuma dificuldade em aceitar a rendição de um inimigo (um ato apropriado para uma pessoa valorosa). Porque eles constantemente analisam as estruturas sociais, illumianos valorosos são freqüentemente os primeiro a perceber que algo está errado em uma organização que é secretamente corrupta.

O Tocado pelos Planos Valoroso: Os aasimar, como paladinos, são naturalmente tendente a um comportamento valoroso, e o forte traço de heróis parte-celestiais vem de Mulhorand, onde aquela raça é muito mais comum. O genasi não se tornam freqüentemente valorosos porque as tendências suas egocêntricas e afinidade para os elementos neutros tornam difícil para eles darem o grande passo e agir para o bem maior. Tieflings têm o mesmo problema que os meio-orcs e drow: Eles são percebidos como inerentemente maus e têm que trabalhar duas vezes mais duro para serem aceitos. Alguns tieflings podem se tornar heróis valorosos, entretanto eles sempre se preocupam com a tentação e corrupção.

O Raptorano Valoroso: Estes humanóides alados treinam toda sua descendência para o máximo do potencial, o que significa um número surpreendente de raptoranos sererem valorosos acima de serem bons. O obstáculo principal para raptoranos se tornarem valorosos é a sua natureza agressiva em combate, que torna a clemência uma opção raramente considerada.

Dançarino Lunar Secreto

O dançarino lunar secreto serve à vontade de Eilistraee.

Drows incontáveis vivem no Underdark sob o dedo polegar da Rainha Aranha, mas um número pequeno deles sabe há outra deusa que responderá as suas orações, uma deusa benigna que os ama — Eilistraee, a Dama da Lua. Normalmente estes drows vivem em comunidades más e têm que manter sua adoração herética em segredo, mas fora do alcance dos ouvidos e dentro da privacidade das próprias casas, eles ensinam as crianças sobre a deusa boa que dança no luar. Se tiverem sorte, estes drow consequentemente fogem para um lugar mais seguro, indo viver em comunidades pequenas na superfície ou em pequenos bastiões da força de Eilistraee como o Passeio perto de Porto dos Crânios.

Região: Cormanthor Drow, Menzobarranzan.

Idiomas Automáticos: Como o da região.

Idiomas Adicionais: Como o da região.

Divindades Favorecidas: Eilistraee.

Talentos Regionais: Cosmopolita, Adaptação a Luz do dia, Pés Ligeiros.

Equipamento Adicional: (A) espada longa (obra-prima) ou espada larga (obra-prima); ou (B) camisão de cota de malha (obra-prima); ou (C) símbolo sagrado de Eilistraee (veja página 64).

Símbolo de Fé

Um símbolo de fé é um item mágico menor sintonizado a uma divindade em particular. Estes símbolos regularmente portam um único truque ou oração relacionados aos aspectos da divindade ou dogma.

Conhecimento: Símbolos de fé são normalmente dados como presentes para membros excepcionais de uma igreja ou para alguém que executou um serviço significante, mas não por salvar-vidas. (Conhecimento [religião] CD 10).

É habitual entre as igrejas boas um portador dar um símbolo de fé para outro seguidor e, quando ele já não tiver necessidade deste, e se ele encontra alguém que precisa disto mais do que ele, fazer o mesmo. (Conhecimento [religião] CD 15).

Descrição: Este pequeno pedaço de jóia parece um simples colar com um encanto pequeno estampado ou entalhado com um símbolo sagrado. Um símbolo de fé e seu colar podem ser de metal, madeira, osso, ou qualquer material apropriado para a divindade em questão. Quando ativado, um símbolo de fé pode brilhar, fazer barulho, acender intensamente, ou mudar de temperatura, enquanto dependendo de sua função e de sua deidade.

Pré-requisito [opcional]: Um símbolo de fé só funciona para um adorador da dinvindade cujo símbolo sagrado é carregado.

Ativação: Símbolos de fé são ativados por palavras de comando, geralmente requerendo algumas palavras de oração (como "Ilmater me proteja”), mas às vezes o nome da divindade é suficiente.

Efeito: Um símbolo da fé normalmente é com embutido uma magia de nível 0 utilizável duas vezes por dia. Alguns deles têm duas magias, cada um utilizável uma vez por dia. As seguintes são magias comuns de símbolos da fé associados a divindades particulares.

Arvoreen — mensagem, virtude
Chauntea — consertar, visão da natureza [Mag]
Corellon Larethian — detectar magia, invocar Instrumento
Eilistraee — som fantasma, orientação
Garl Glittergold — prestidigitação, virtude
Hanali Celanil — disfarce menor
Helm — virtude
Horus-Re — chama, mensagem
Ilmater — curar ferimentos mínimos
Lathander — luz
Lurue — curar ferimentos mínimos, luz
Mielikki — detectar veneno, intuir direção
Moradin — resistência
Oghma — pássaro canoro [Mag], invocar instrumento
Selûne — luz, canção de ninar
Sune — pasmar, disfarce menor
Torm — orientação, virtude
Tymora — orientação
Tyr — resistência, virtude
Yondalla — abrir/fechar, purificar alimentos

Aura/Nível de Conjurador: Tênue (escola depende de item individual). NC 1º.

Construção: Criar Itens Maravilhosos, magias apropriadas, 150 PO, 12 XP, 1 dia.

Peso: —.

Preço: 300 PO.



Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.