Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Coletânea dos Reinos
 
Os Dias Mais Tranqüilos de Storm Mão Argêntea, Parte Quatro
IV: Em Ebulição, Parte 2
Por Ed Greenwood
Tradução por Ricardo Costa.


Continuam os projetos poucos conhecidos de um ano recente de Storm:

  • Elfos do sol retornando para Myth Drannor vieram até a fazenda de Storm para consultá-la sobre as especificidades de portais, guardiões, armadilhas mágicas, e outros encantos poderosos que ela ou os Cavaleiros de Myth Drannor tenham observado serem lançados, ou em operação nas ruínas da cidade. Storm livremente compartilhou o pouco que sabia (incluindo seu encontro com um baelnorn a pedido dos Cavaleiros, alguns anos atrás), e em troca, os elfos descreveram seus encontros com muitas "magias estranhas e adormecidas" nas ruínas que eles tentam reclamar para si. Storm garantiu a ajuda de agentes Harpistas como enviados dos elfos em lugares -- tais como Hillsfar e Sembia -- onde eles não desejassem ir pessoalmente.

  • Harpistas assumiram os trabalhos da fazenda de Storm por um tempo para que ela pudesse viajar disfarçada para Voonlar e pessoalmente lidar com um escravista zhent que anos atrás raptou e vendeu várias crianças do Vale das Sombras (que morreram na escravidão antes que pudessem ser resgatadas). O escravista, era um tal de Rauthan Zarass (um homem LM Ladino 6), que adquiriu um braço com garras (um implante demoníaco, detalhado no livro Fiend Folio), e que possuía alguma importância na Rede como agente pessoal de Manshoon.

    Storm o desafiou e o matou -- o que a colocou sob ataque direto do próprio Manshoon, que teleportou-se para o corpo do escravista. Ela defendeu-se, em parte liberando dois fantasmas guardiões de seu cinto, e a batalha atraiu agentes zenths locais (depois que Manshoon desapareceu). Storm "fugiu" destes novos adversários, e os atraiu -- através de diversos portais -- para o alcance de Simbul, que prontamente os destruiu.

  • Harpistas que foram enviados à Storm para treinamento, vindos de Berdusk, contaram-na sobre terem lutado contra sembianos nas cavernas próximas da Passagem do Trovão. Procurando abrigo na noite, os Harpistas toparam com os sembianos aparentemente derretendo itens de ouro e cobre e confeccionando moedas falsas de ouro (de cobre levemente folheado por ouro).

    Os jovens Harpistas perguntaram a Storm o que deveria ser feito. O conselho de Storm os surpreendeu. Ao invés de promover uma caçada aos criminosos, ela apressou os Harpistas a fazerem suas próprias falsificações e gastá-las na Sembia -- e começar a espalhar rumores sobre moedas falsas para semear a dúvida entre os especuladores e os tolos gastadores da Sembia, cuja crescente negligência e arrogante uso da suas riquezas vem causando problemas em todo entorno do Mar das Estrelas Cadentes...problemas que começam a se espalhar. (o estabelecimento de enclaves thayanos, por exemplo, colocaram pela primeira vez itens mágicos ao alcance de "qualquer idiota com moedas suficientes", e Storm tem pressentimentos sombrios sobre as intenções de muitos sembianos que começaram a estocar itens mágicos).

  • Muitos dos rangers que visitam a fazenda de Storm a cada outono, quando rumam para o sul no momento que o inverno se aproxima, notaram que as criaturas de pêlos da floresta estão ficando mais raras no Vale da Adaga e da Floresta da Fronteira -- e ainda que os peixes dos córregos da floresta, normalmente pescados por tais criaturas, também estão sumindo. Suspeitando que algo está envenenando as águas, Storm mandou alguns de seus mais confiáveis Harpistas investigar. Será que os zhents estão fazendo algo no vale do Tesh?

    Eles foram, mas nada maculava a floresta. Os Harpistas descobriram um punhado de ambiciosos aprendizes zhents à mago, que procuravam ganhar favores e postos mais altos, experimentando agressivamente feitiços em raposas, martas, porcos-espinho, lontras e tudo que os guerreiros zhenths pudessem pegar. Os aprendizes estavam tentando criar novos monstros para servi-los -- com pouco sucesso até aqui (os guerreiros zhents causaram o sumiço dos peixes; sob ordens de não matar e comer as criaturas, mas gastando seus dias na floresta fazendo e checando armadilhas, eles represaram córregos a fim de capturar peixes para comer.)

    Storm mandou alguns Harpistas para maquinar planos para instigar os aprendizes de mago a trairem seus superiores -- então estes zenths cuidariam dos problemas com os ambiciosos criadores de monstros para ela e enfraqueceriam a Rede Negra no processo.

  • Fontes Harpistas enviaram mensagem a Storm sobre certos nobres exilados de Cormyr reunidos em Selgaunt para planejar os assassinatos da Regente de Aço e da Maga Real. Eles contaram também sobre um plano de capturar a Rainha Viúva para que pudessem governar em seu nome, pondo de lado o jovem Azoun V como se este fosse um bastardo que nasceu da agora morta Princesa Tanalesta de um relacionamento fora do casamento e não um herdeiro real (se outros contestassem este argumento, Azoun seria também capturado e mantido).

    Os exilados, que chamavam a seu grupo de Elmo Brilhante, planejavam não somente assassinar os Obarskyr, mas as casas reais de Coroa Prateada, Caçador Prateado, e Prata Verdadeira até que só restassem vivos somente os jovens esbanjadores (que poderiam ser influenciados pelos conspiradores a agir sob a visão do Elmo Brilhante). Depois, a não mais necessária Filfaeril seria rapidamente deposta e um rei marionete (Azoun ou um das "Casas Reais" poupadas) seria posto no trono. O rei proclamaria o Elmo Brilhante como um Conselho de Lordes Protetores do Reino e, daí em diante, eles poderiam tomar as verdadeiras decisões em Cormyr.

    Ao invés de informar Rhoegantle Malyth e observá-lo correr e fazer alguma coisa apressada, Storm enviou Harpistas para espreitar certos conspiradores, fazer uma lista de quem escuta seus debates, e prestar uma particular atenção a quem parece liderar o Elmo Brilhante (ou manipular seus líderes por trás das cenas). Ela costumava usar um portal que conhecia (em uma área selvagem em algum lugar perto do Vale das Sombras) para viajar até a Floresta do Rei em Cormyr, e de lá, sorrateiramente fazia seu caminho até Filfaeril, a quem conhecia de longo tempo. Juntas, elas foram ver Alusair e Caladnei.

    A Regente de Aço concordou com Storm que seria melhor para Cormyr aprender tudo com os contatos, apoiadores e possíveis diretores dos rebeldes, do que rumar para Selgaunt e tentar matar a todos. De acordo com o plano, apenas um conspirador foi emboscado, capturado, e substituído por um agente Harpista, para que este pudesse prestar atenção nos assuntos no lugar do homem e trazer informes de todos os procedimentos.

    Isto foi feito, aparentemente sem que ninguém do Elmo Brilhante descobrisse nada de errado. Storm espera que os exilados não percebam que o Trono do Dragão está ciente de seus esquemas nos anos que virão. Altos Cavaleiros e Magos de Guerra estão atualmente rastreando e interceptando apenas poucos negócios arriscados do Elmo Brilhante e atividades criminosas na Sembia, Portão Ocidental e Marsember -- e mantendo vigilância sobre o resto. Nas palavras de Alaphondar, o Sábio: "O rebanho foge diante de um lobo vigoroso, mas o espreitador pode comer melhor por mais tempo escondendo-se dentro do rebanho, e fazendo uma ovelha desaparecer aqui e ali, deixando os dias passarem, esperando pelas chances de realizar seus feitos sangrentos sem ser visto".

  • Um mascate, que por décadas pernoitou duas vezes por ano na fazenda de Storm (a caminho de Cormyr, e na volta até os Vales, as margens do Mar da Lua e no interior da Sembia), trouxe notícias para a Barda do Vale das Sombras de ter visto dois Magos Vermelhos de Thay adotando disfarces, em um vale as margens da estrada próxima ao Mar interno. Os dois estavam lendo um para o outro uma mensagem encaminhada para Caladnei de Cormyr, vinda de um antigo tutor conhecido como
    o "Velho Punho Ardente da Fenda", o anão dourado Sarruk Roldikant. "Fique bem, Cala. A sorte encontra você no Reino Florestal e agora a sorte encontra você para mim. Eu vi sua face neste ouro enquanto ele resfriava, então pelo Pai das Forjas, isto tinha um significado para você. Procure por mim, não em minha antiga bigorna, pois eu vou mais fundo agora. Deixe seus dias serem longos e seu ouro nunca escasseará"

    Um thayano expressou desgosto em ter que memorizar esta mensagem sem sentido, quando "dar o pingente enviado para era tudo que importava", mas o outro insistia para enganar um Mago de Guerra, fingindo estar muito doente pela viagem, eles deveriam entregar esta mensagem a "duras penas", como se memorizá-la fosse "aquilo que nos tornava mais fortes durante a doença."

    O mascate escondeu-se até que os dois thayanos partissem, mas ele não sabia como enviar um aviso a Caladnei. Storm mandou uma mensagem por Rhoegantle de que o pingente quase que certamente carregava uma magia que permitiria que Caladnei fosse rastreada precisamente, e que encantos hostis ou feras de longe seriam provavelmente enviadas a ela.

    Tais assuntos, grandes e pequenos, ocupam os dias de Storm Mão Argêntea. As poucas horas deixadas são gastas fazendo sopas e cozidos, ou tocando harpa em sua lareira (ou sob a lua acima do Velho Crânio ou na Colina dos Harpistas). Em casa, Storm sempre tem sua irmã espectral Syluné para falar -- quando nunca existe falta de coisas para comentar.

    Um dos projetos noturnos secretos de Storm é enterrar, escondida, pequenos fragmentos das pedras do piso da cabana de Syluné envolta do Vale das Sombras, assim sua irmã espectral (que pode se manifestar somente a uma distância limitada daquelas pedras) poderá viajar livremente em torno do vale, "pulando" de fragmento em fragmento. Quando este projeto se concluir, a espionagem invisível de Syluné ampliará seu alcance, e Storm ouvirá mais e mais sobre os eventos diários no Vale das Sombras.




Sobre o Autor

Ed Greenwood é o homem que lançou os Reinos Esquecidos em um mundo que não os esperava. Ele trabalha em bibliotecas, escreve fantasia, ficção científica, terror, mistério e até estórias de romance (às vezes coloca tudo isto em um mesmo livro), mas está ainda mais feliz escrevendo Conhecimento dos Reinos, Conhecimento dos Reinos e mais Conhecimento dos Reinos. Ainda existem alguns quartos em sua casa com espaço para empilhar seus escritos.

Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.