Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Coletânea dos Reinos
 
Melvos Forjaestrelas, Parte Dois
Uma Próspera Carreira
Por Ed Greenwood
Tradução por Ricardo Costa; revisado por Daniel Bartolomei Vieira.


Salão e Casa

A chácara pertencente a Melvos Forjaestrelas fica no lado norte de uma estrada de chão chamada de Caminho de Theln, a meio dia de cavalgada (se o caminho estiver livre de neve ou lama) a oeste do cruzamento da estrada que une Mulhessen e Saerb (uma rota conhecida regionalmente com “O Caminho do Chacoalha Ossos” por causa de sua superfície acidentada, por conta de troncos enterrados que formavam sua pavimentação original). O Caminho de Theln ruma para oeste da estrada Mulhessem-Saerb a partir do ponto que marca sua metade, próximo da raramente mapeada vila de Olturret.

A chácara Forjaestrelas é de tamanho médio e consiste em um caramanchão que abriga um jardim sombreado com muitas árvores, estábulos com um portão ao fundo que se abre para uma floresta cortada por trilhas, usadas por Forjaestrelas para levar convidados para cavalgar ou caçar javalis e cervos (e que seus servos usam regularmente para enriquecer suas mesas com coelhos apanhados em laços e perdizes pegas com pedras atiradas), e uma casa grande o suficiente para oferecer sete suítes, uma ala para servos e um grande salão central para se jantar e dançar. Em qualquer cidade sembiana, uma casa deste tamanho poderia ser considerada uma mansão – ainda que sua arquitetura pudesse, sem dúvida, ostentar uma ornamentação mais vistosa.

Melvos usa este retiro no interior para fazer a mesma coisa que os mais prósperos mercadores sembianos fazem: entreter seus parceiros comerciais (ou mercadores que estão sendo cortejados a se tornarem parceiros) com banquetes e festas (principalmente com bebidas, caçadas e com divertimentos com companhias “profissionais” contratadas; estas três atividades são freqüentemente realizadas imediatamente; a caça a companhias – para atividades amorosas, não para matar ou comer – é conhecida como “corrida do laço”); relaxamento (que normalmente significa caçar, beber, planejar e dormir muito); e várias atividades ilícitas ou reprováveis (como comercializar ou recondicionar itens roubados ou contrabandeados para revenda, torturar ou manter rivais comerciais presos em troca de resgate, e negócios com mercadorias e práticas ilegais – como escravidão envolvendo cidadãos sembianos, crime organizado em Sembia e coisas do tipo).

Deve-se notar que as leis sembianas mantêm seus cidadãos responsáveis por honrar seus acordos e contratos entre sembianos em qualquer parte dos Reinos, mas é inteiramente silenciosa – e até mesmo ativamente desinteressada – em atividades de sembianos fora das fronteiras de Sembia (e em seus portos e águas costeiras). Em outras palavras, Sembianos podem abertamente comercializar escravos, contratar marginais e até mesmo exércitos de piratas, e quebrar de toda a forma as leis fora de Sembia, que as cortes sembianas e sua sociedade não farão nada – a menos, ou até que tais atividades se espalhem e afetem outros sembianos, ou tomem parte (mesmo que parcialmente) dentro de Sembia.

Bastante imaginativo, Melvos chama sua chácara de Salão Forjaestrelas – em oposição a Casa Forjaestrelas, sua casa alta em Saerloon.

A maioria dos habitantes da cidade de classe média de Sembia habita casas altas, que são construídas em ruas ou terraços com o lado de sua parede sem janelas tocando a parede da casa alta vizinha. Estas estruturas têm este nome por causa da sua altura (de três a seis pavimentos, sendo a média de quatro) e por serem estreitas (normalmente apenas um quarto e um corredor). A maioria das ruas nas cidades sembianas está repletas delas.

Nas áreas mais pobres, casas altas arruinadas são inteiramente dedicadas para servirem de acomodações de aluguel. Cada quarto é normalmente ocupado por uma única pessoa, que (se não possuir família) freqüentemente subloca o espaço para até seis outros colegas de quarto. Cozinhas são partilhadas (e seus braseiros são usados nas sacadas também para secar roupas estendidas), e o saneamento consiste de baldes de água retirada do porto ou de poços comuns. Os baldes com as “sujeiras noturnas” são eventualmente despejados das sacadas nas ruas, ou deixados em uma carroça dedicada a recolher estes dejetos.

Em áreas melhores, as casas altas têm fossas e sanitários internos, e eles são alugados para outros pavimentos, normalmente para lojistas que simultaneamente habitam e mantém suas lojas nos subsolos mais altos ou ao nível da rua, e para famílias que habitam os pisos acima. Às vezes inquilinos que vivem nos pisos acima tocam negócios silenciosamente, como escribas, linguarudos (o que nós poderíamos chamar de investigadores particulares), serviços de aquece-ombros (que poderíamos chamar de oferecimento de prostituição) e estabelecimentos de caldeirão pronto (que oferecem à uma ou duas pessoas uma refeição quente, uma cama pronta sem intimidades e a guarda de pequenos itens com inteira discrição – o que permite aos convidados pagantes, particularmente visitantes com conexões de negócios nebulosoas, um lugar para se refugiarem e se esconderem por um ou dois dias).

À medida que os níveis sociais crescem, e as lojas e os negócios nos pisos superiores aumentam, mais e mais casas altas são ocupadas inteiramente pelo seu proprietário ou por um locatário único, ou são divididas entre um proprietário e um único inquilino. Os mais prósperos sembianos podem manter mansões ou mesmo vilas cercadas nas cidades, mas Melvos Forjaestrelas está longe de ser um deles.

Leia o próximo artigo da série para aprender muito sobre as taxes e impostos de Sembia e ainda algumas dicas de como Melvos e outros mercadores típicos os evitam.



Sobre o Autor

Ed Greenwood é o homem que lançou os Reinos Esquecidos em um mundo que não os esperava. Ele trabalha em bibliotecas, escreve fantasia, ficção científica, terror, mistério e até estórias de romance (às vezes coloca tudo isto em um mesmo livro), mas está ainda mais feliz escrevendo Conhecimento dos Reinos, Conhecimento dos Reinos e mais Conhecimento dos Reinos. Ainda existem alguns quartos em sua casa com espaço para empilhar seus escritos.

Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.