Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Coletânea dos Reinos
 
Melvos Forjaestrelas, Parte Três
Uma Próspera Carreira
Por Ed Greenwood
Tradução por Ricardo Costa; revisado por Daniel Bartolomei Vieira.


Taxas, Impostos e Como Evitá-los

Além das taxas de licença para comerciar, por animal ocupando estábulos e por “passagem pelo portão” e de “embarque” de mercadorias, a maioria das cidades sembianas coletam uma “taxa por cabeça” anual dos seus residentes, independentemente de lhes prover ou não serviços em troca.

Tais taxas vão de 1 PP pelo aluguel de um quarto de solteiro em uma casa alta ou pela posse de uma minúscula cabana, aumentando para 1 PO para o arrendatário de um piso de uma casa alta, até 3 ou 5 PO taxados aos proprietários de uma casa alta. Taxas para mansões de qualquer tipo começam com um valor maior que o triplo destas quantidades (18 PO por ano é a mais barata taxa cobrada; geralmente cobra-se 25 PO ou acima disto para uma casa grande ou mais por algo com grandes pátios ou construções externas).

Então, apesar de Melvos Forjaestrelas poder certamente manter uma grande mansão, ele não quer propagar seu sucesso tão audaciosamente (para ladrões ou conspiradores que queiram “espremê-lo” ou “afaná-lo”, por agir contra suas atividades mercantis, até que suas perdas o forcem a vender tudo para eles). Então ele mantém sua casa alta, e vive quietamente – mas muito ativo – dentro dela, visitando sua chácara no interior a cada semana, ficando por até seis noites nos meses mais quentes (a menos que doenças, distúrbios na cidade ou hostilidade de adversários comerciais façam uma ausência maior aconselhável).

A Casa Forjaestrelas fica no lado oeste da Rua Sundultarm, em uma das melhores darths do nordeste de Saerloon – uma vizinhança conhecida como Vento Uivante. Esta vizinhança tem este nome por causa do barulho criado quando qualquer coisa mais forte que uma brisa sopra sobre as delgadas estátuas que decoram os topos dos telhados e as ornamentações das estruturas maiores e mais altas.

Existem taxas em Sembia para transferência de escritura, registro de navios e para centenas de outras pequenas coisas, mas não há uma taxa geral sobre o lucro ou algo que tribute os negócios privados. Como a maioria dos sembianos, Melvos Forjaestrelas está ciente de todas as taxas aplicáveis e os detalhes dos regulamentos a respeito de seus cumprimentos, e habilmente arranja seus contatos para escapar da maioria deles. Uma boa maneira de irritar um sembiano é tentar expandir interpretações sobre quando uma taxa particular é aplicável ou deve ser paga.

Lucros são maiores, é claro, se as mercadorias são importadas ou exportadas sem pagar a passagem pelo portão ou as taxas portuárias (particularmente no caso de alguns tipos de itens como armas ou objetos mágicos, sobre os quais as maiores taxas são cobradas). Quase todo sembiano velho o suficiente para andar e falar é culpado de evitar abrir mão de algumas moedas escondendo certa quantidade de mercadorias (pagando o que é de direito por duzentos e quarenta e dois potes, por exemplo, mas na verdade embarcando duzentos e quarenta e oito), mas poucos arriscam estimativas falsas (encobrindo armas com uma camada profunda de potes e afirmando que a carroça está somente repleta de potes) ou omitem carregamentos inteiros. Isto provavelmente não se deve a falta de audácia ou excesso de honestidade, mas meramente ao fato de que poucos sembianos possuem ou podem sustentar o aluguel de mais de um navio mercante, ou mover potes (ou armas) suficientes para fazer a fraude valer a pena.

A maioria dos sembianos, incluindo Melvos Forjaestelas, não tem interesse em pagar ao governo mais do que o mínimo de impostos e taxas que forem inevitáveis, e operam em um ambiente mercantil onde a privacidade sobre seus próprios negócios é boa prática e hábito diário (a não ser quando chega a época de comentar sobre triunfos e fazer chacota sobre erros, depois que estes se tornam história).

A maioria dos “bons comerciantes” (um termo sembiano para qualquer um com dom para negócios, o que compreende pelo menos nove entre dez sembianos) tem alguns segredos que são ansiosamente escondidos das autoridades, rivais comerciais, vizinhos que querem fazer algumas pratas vendendo informações sobre o que ouvem e vêem e de membros da família.

Neste respeito, Melvos Forjaestrelas é um comerciante muito bom. Ele não se importa em esconder seu negócio de fabricação de vinhos (das rudes safras dos Vales até a exportação em pequenos barris para os portos do Mar Interno como o barato e refrescante “alivia garganta”) ou seu negócio paralelo de consertar telhados em Saerloon, seu investimento em uma loja de sapatos dirigida pelo filho de um amigo (a Pés Finos de Olanthiir, na rua Scorneel) ou sua sociedade, via um anel de moedas de nove investidores (nós poderíamos dizer um cartel ou holding) chamada a Palma Cheia de Sundul, e duas casas altas de aluguel na Rua Pranthar.

Entretanto, ele se mantém muito quieto sobre os seus outros interesses – as “poucas coisas escondidas” que lhe trazem cinco sextos de seus lucros.

No próximo artigo dê uma olhada em algumas práticas comuns em Sembia – incluindo algumas clandestinas – nas quais um típico mercador como Melvos se engaja.



Sobre o Autor

Ed Greenwood é o homem que lançou os Reinos Esquecidos em um mundo que não os esperava. Ele trabalha em bibliotecas, escreve fantasia, ficção científica, terror, mistério e até estórias de romance (às vezes coloca tudo isto em um mesmo livro), mas está ainda mais feliz escrevendo Conhecimento dos Reinos, Conhecimento dos Reinos e mais Conhecimento dos Reinos. Ainda existem alguns quartos em sua casa com espaço para empilhar seus escritos.

Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.