Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Coletânea dos Reinos
 
O Garota Risonha, Parte Dois

Por Ed Greenwood
Tradução por Ricardo Costa.


A Verdade

As marés turvas da Baía Agitada atiram destroços e alguns farrapos para o cais de Hlondeth, mas nunca algo maior ou mais pesado. Marujos velhos e sábios dizem que isto significa que nem as marés nem as correntes lavam o fundo, mas assolam somente a superfície dos navios partidos. Se pudessem respirar na água, eles sairiam de velas içadas, carregando muitas arcas de ouro!

Estes velhos marujos estão corretos sobre a Baía Agitada. Apesar de suas marés furiosas e ondas da superfície, as águas que ficam do fundo até a altura de dois homens altos permanecem calmas todo o tempo, proporcionando boa visibilidade. O fundo é de uma fina areia sobre uma superfície plana, com rochas expostas, ornamentadas aqui e ali com “grama das ondas” (uma resistente planta marinha, não comestível para humanos e horrivelmente salgada, que parece com tufos alto de grama, que se prendem nas fissuras das rochas). Em todas as outras superfícies estão costelas quebradas, mastros e tábuas de navios destroçados, geralmente amontoados nas profundezas.

Muitos monstros aquáticos espreitam aqui, trazidos pela comida abundante (avidamente visitando a Sssrathluth). Tubarões e lulas gigantes são comuns, e polvos gigantes e até esqueletos espreitam em acomodações submersas e embaixo das fendas nos convés.

O Garota Risonha fica longe do amontoado geral de destroços, e suas duas metades parecem impressionantemente intactas, como se o galeão tivesse afundado ontem. Poderosos feitiços de proteção foram lançados nele, mantendo o naufrágio intacto, prevenindo observação mágica, e anulando feitiços que podem detectar o trio de portais escondidos em cada uma de suas metades.

Os portais existem porque o Garota é na verdade uma isca para aventureiros.

A Mrastaress de Hlondeth, Dediana Extaminos (LM meio yuan-ti, feiticeira 10, sem pernas tendo no lugar um rabo de serpente), procurou por algum tempo um contraponto para as atividades de seu filho Dmetrio (saiba mais sobre estes assuntos e sobre a Baía Agitada no livro fonte Reinos das Serpentes (Serpents Kingdoms), na parte relativa a “Hlondeth”), e ela acredita que encontrou o caminho final para aumentar sua influência e poder, e conseguir para si própria um exército particular.

As chaves para o plano de Dediana foram dois yuan-tis agora mortos, que caíram sob seu poder: Sriss Lavoenroes de Hlondeth, que inventou o veneno conhecido como "aumrara," e o “místico” errante Haunta Dreen, que lhe conseguiu encantos (ou encontrou e dominou um item mágico) que pode criar portais.

Para Dediana foi fácil tirar de Sriss seus segredos alquímicos e depois liqüidá-lo, mas Haunta mostrou-se muito mais astuto e perigoso. Dediana teve de matá-lo depois que este criou os Portais do Garota Risonha, quando suas tentativas de aprender exatamente como ele fez os portais o motivou a ameaçar auxiliar Dmetrio contra ela. Ela exauriu muitos itens mágicos para conseguir uma estreita vitória sobre Dreen.

Dediana fez espalhar centenas de moedas de ouro pelo naufrágio, e muitos baús abertos e vazios engenhosamente colocados nas cabinas, situados de forma que aqueles que os procurassem caíssem certamente através de um de seus portais.

Toda as criaturas capturadas vão para o mesmo lugar: o final de um porão sobre alto castelo da Mrastaress.

O portal emite um som de sino para alertar a Mrastaress quando ele está agindo, e quando deposita as criaturas a muitos metros, sobre o piso cerâmico de cor amarelada do chão do porão; Se estas não começarem a voar instantaneamente, cairão de uma curta distância no solo – o qual está escorregadio devido a um óleo amarelado contendo aumarara (CD 17 em Teste de Reflexos para evitar a queda). Aumarara é um veneno de contato, e não há mais do que uma dúzia de vasos para vinho na mesa de pedra no final do porão que, no mais, encontra-se vazio.

A Mrastaress pode ver a cela e falar com os prisioneiros através de vários buracos no teto, que está a cerca de 9 metros do piso. O porão tem 18 metros de largura e 60 metros de comprimento.

Parecendo preocupada, Dediana Extaminos irá perguntar a seus “convidados” se eles sentem uma sensação de ardência. Se algum deles disser que sim. Ela não revelará o quê e como foram atingidos, mas dirá que todos foram envenenados por aumrara e deve obedecer daqui por diante ou morrerão – visto que ela é a única que pode dar-lhes o antídoto.

Então ela dá suas ordens, dizendo a estes para executar uma determinada coisa, como dominar opositores para capturar determinados itens (itens mágicos mantidos por um mago, templo ou governante em algum lugar de Faerûn). Ás vezes, eles são enviados para eliminar aliados de Dmetrio ou seus muitos inimigos.

Se retornarem ao ponto exato sua “magia” (outro portal que pode trazer qualquer criatura viva a 6 metros de distância da mesa de pedra quando ela o ativa ) irá trazê-los de volta, e receberão sua “primeira” dose do antídoto.

Cativos que se recusam, são deixados para definhar. Aqueles que obedecem são paralizados com feitiços quando retornam para o porão, e os itens que capturaram são retirados deles (esta paralisação, foi-lhes dito, vem do veneno).

Esta situação continuará pelo tempo em que os cativos sobreviverem ou obedecerem. Na verdade, não existe antídoto para aumrara; os cativos que fugirem enquanto estiverem em uma missão escaparão da Mrastaress.

Veneno Tipo Dano Inicial Dano Secundário Preço
Aumrara Contato CD 20 Ardência (Inofensiva; 4d6 minutos) Paralisia (3d6 minutos) 3.000 po

Aumrara é um líquido amarelado solúvel que não é afetado por álcool. A sensação de ardência é causada pelo contato com a carne e age como dano inicial, mas é completamente inofensiva, porém causa paralisia como dano secundário. Depois disto, o veneno pode ser fabricado pelos PJs. Mestres são aconselhados a permitir que os PJs tentem descobrir os ingredientes secretos de Dediana. Uma vez que descubram as sementes esmagadas e as duas seivas vegetais diferentes que são necessárias, eles devem fazer um teste de Ofícios (fabricação de venenos) com CD 30 para se assegurarem que a mistura está na proporção correta. Uma falha resulta em um produto mal feito. Se for adicionado a armadilhas, o modificador para a Classe de Dificuldade da armadilha será +4.



Sobre o Autor

Ed Greenwood é o homem que lançou os Reinos Esquecidos em um mundo que não os esperava. Ele trabalha em bibliotecas, escreve fantasia, ficção científica, terror, mistério e até estórias de romance (às vezes coloca tudo isto em um mesmo livro), mas está ainda mais feliz escrevendo Conhecimento dos Reinos, Conhecimento dos Reinos e mais Conhecimento dos Reinos. Ainda existem alguns quartos em sua casa com espaço para empilhar seus escritos.

Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.