Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Coletânea dos Reinos
 
Arquitetura Rural dos Reinos, Parte Dois

Por Ed Greenwood
Tradução por Ricardo Costa.


Filfaeril suspirou. "E aonde o brinquedinho de Vangey nos enviou agora?"

Azoun piscou para ela. "Bem, isto é obviamente um telhado, e como também é óbvio, estamos em Arabel – veja esta série de lâminas de neve, se projetando das telhas de ardósia? Elas cortam a neve depositada em fatias, e assim o acúmulo de toda uma face do telhado nunca cai de vez nas ruas quando o degelo chega, evitando um grande deslizamento que poderia matar dezenas ou então despedaçar ou enterrar carroças."

"Dragão do meu coração," disse Filfaeril gentilmente, voltando a fitar o seu lorde com uma conhecida expressão em seus olhos, "você entendeu minhas palavras, mas não o significado. Eu estou ciente de que isso é um telhado, e não me importo nem um pouco onde nos reinos ele é mais comum. O que eu realmente estou é: como, por todos os hobgoblins felizes que dançam nas Terras Rochosas, nós vamos descer daqui?”

"Ah", o Rei concordou contente. "Ah, sim. Uh-hum..."

Ele piscou de novo, e voltou-se vagarosamente para observar tudo em volta, e com uma expressão esperançosa em sua face que dizia a toda a Arabel que o rei esperava uma resposta para esta questão espinhosa, com relação a pular daquele telhado e se apresentar. Preferivelmente antes da noite cair.


Aventureiros sempre são vistos em perseguição pelos telhados, escondendo-se nos telhados, ou pulando pelos telhados. Ajuda saber se quando pular em um fará você cair através dele – ou escorregar impotente, até cair na rua abaixo.

Muitos telhados possuem clarabóias (geralmente muito bem fechadas pela parte de dentro – com barras cruzadas deslizando em feixes de metal ou madeira, correntes ou mesmo com grandes parafusos apertados em barras diagonais – que previnem que intrusos venham de cima, se esta pessoa não estiver usando um machado ou uma chuva de meteoros), conectando o sótão às armações do telhado. Este acesso permite reparos na chaminé e no telhado, e um lugar para os moradores esconderem itens de valor.

Nos Reinos, colocar quantidades de moedas em cofres metálicos escondidos em nichos localizados na parte da chaminé próxima ao telhado (sempre ocultos em pedras soltas), é um dos truques favoritos, ficando em segundo lugar em popularidade em relação a se por valores sob as tábuas do piso ou enterrados no piso poeirento do porão, porém sendo mais popular que enterrar um cofre em um bosque próximo (ou no pasto, ao longo de uma cerca).

Alguns poucos e sólidos edifícios antigos têm vigas ou suportes nos telhados grandes o suficiente para permitir que cavidades escondidas sejam colocadas dentro deles: os que quiserem procurar são aconselhados a olhar para construções duplas (colunas colocadas lado a lado ou se tocando). Uma será inquebrável e faz parte da estrutura, e a outra irá conter locais escondidos, freqüentemente em uma “frente falsa” removível.

Telhados das cabanas rurais de troncos são armações com madeira trançada (em filas de triângulos com vigas internas) que repousam em paredes laterais de troncos, e um poste no centro dos cômodos que as sustentam. Estes postes são freqüentemente apertados, para firmar a estrutura, com cunhas de madeiras encaixadas entre o topo do poste e as fileiras de vigas.

Telhados são cobertos tanto com troncos selados com musgos e ardósia, ou com troncos (as vezes vistos em cortes longitudinais, em forma de “metade de círculo”) usados como base, cobertos com ardósia, e coberto novamente com pedaços de madeira ou palha. Ardósia ou telhas são muito pesadas e caras, o que faz o seu uso quase inteiramente urbano, exceto nas soleiras das portas ou nas mesas das casas de fazenda – ou no topo dos edifícios mais robustos (como templos ou fortes, onde se proteger dos efeitos de projéteis de fogo pode ser uma preocupação), em áreas próximas de jazidas desta pedra.

Ventanias severas podem acarretar a ruína de quase qualquer tipo de telhado, mas os de telha ou ardósia podem se converter em mísseis mortais quando os pinos de madeira que os seguram perdem a batalha contra a tempestade. Magos de guerra veteranos sabem como usar feitiços explosivos para despejar deliberadamente em um grupo de inimigos pesados e pontiagudos pedaços de ardósia do telhado ou cacos de telhas afiados como adagas.

Telhados de palha são comuns onde os pântanos próximos podem prover os juncos necessários. Onde construtores qualificados deste tipo de telhado estão ausentes, camadas espalhadas de lama mantêm o telhado de palha precariamente construído livre de ser soprado pelo vento, ou de vazar copiosamente a cada chuva forte.

As habitações mais pobres têm telhados cobertos com grama, freqüentemente plantadas com trepadeiras espinhosas que mantém o solo para que este não seja levado pelos ventos quando estiver seco, e para desencorajar animais a fazer dele sua toca. Exceto por um sótão baixo criado pelas tábuas que cruzam as vigas das treliças do telhado, e subpisos, quando a casa é construída em um terreno em declive, as casas de fazenda quase sempre têm apenas um andar térreo, e nunca qualquer tipo de “topo” habitável (nós poderíamos dizer “andar superior”). Por contraste, a maioria das tavernas e estalagens tem extensos sótãos, usados para armazenagem de baús de viagem, mobília em reparos ou excedente, e para os seus servos dormirem (para aqueles que não dormem na cozinha ou estábulo), apenas porque suas treliças são muito maiores. Estas treliças grandes permitem as pessoas ficarem de pé nestas salas desde que a área tenha altura suficiente.

Excitante, hein? Então, corajosamente, nós investigaremos canos de esgoto da próxima vez. Ah...e chaminés. Para não falar das cercas de fazenda. Desafios perigosos são estas cercas e um aventureiro prevenido é um aventureiro formidável.



Sobre o Autor

Ed Greenwood é o homem que lançou os Reinos Esquecidos em um mundo que não os esperava. Ele trabalha em bibliotecas, escreve fantasia, ficção científica, terror, mistério e até estórias de romance (às vezes coloca tudo isto em um mesmo livro), mas está ainda mais feliz escrevendo Conhecimento dos Reinos, Conhecimento dos Reinos e mais Conhecimento dos Reinos. Ainda existem alguns quartos em sua casa com espaço para empilhar seus escritos.

Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.