Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Lendas de Toril
 
A História dos Escolhidos de Mystra

Este texto consta no jogo eletrônico Baldur's Gate elaborado pela Interplay.
Tradução por Allana Dilene.


A razão pela qual Mystra, a Deusa da Magia, investiu uma porção do seu poder divino em mortais não é conhecida. Uma das teorias mais populares, e uma que está ganhando mais suporte à luz das outras ações da deusa durante aquele período, é que Mystra previu o Tempo das Perturbações (e sua própria passagem pelas mãos de Helm) e escolheu dar parte do seu poder a mortais na ordem de assegurar que sua sucessora (a maga mortal Midnight, como foi descoberto) tivesse um bom número de aliados imortais no esforço contra os esquemas dos deuses (agora mortos*, Bane, Myrkul e Bhaal) que precipitaram o Tempo das Perturbações roubando as Tábuas do Destino. A teoria continua sugerindo que Mystra informou Azuth aproximadamente no Ano da Chama Ascendente (0 CV), mais de 1.300 anos antes do Tempo das Perturbações, que parte do seu poder precisava ser colocado em mãos mortais que seriam os Escolhidos de Mystra. Esse poder deveria adormecer nos corpos desses mortais, permitindo a Mystra buscá-lo apenas com a permissão deles. Seria dada aos Escolhidos a habilidade inata de se curar rapidamente, e vidas muito mais longas que as dos mortais. Mystra especulou que esses mortais seriam capazes de desenvolver esses poderes e através disso ganhar habilidades especiais, mas esses poderes não se rivalizariam com os de uma divindade.

A Deusa de Toda a Magia então começou a selecionar mortais que ela achou que se encaixariam. O primeiro foi o então jovem mago Elminster, e também escolheu um mago promissor chamado Khelben Arunsun. Ambos provaram ser merecedores e capazes de receber seu poder, mas as outras tentativas de Mystra de investir seu poder em humanos não foram bem sucedidas, e então percebeu que apenas alguns poucos mortais eram capazes de manter tamanho poder dentro de si sem serem destruídos ou corrompidos. Mesmo que houvesse mais pessoas além de Elminster e Khelben que tivessem a força necessária, é possível que ter vivido por anos recebendo visitas de Mystra tenha levado-os para um caminho do qual eles não mais podiam se desviar. Não importando a razão, o problema devia ser resolvido. Para superar a dificuldade, Mystra desenvolveu um plano para usar a si mesma como receptáculo para gerar indivíduos e adequá-los ao seu poder desde o início das suas vidas.

Como pai desses indivíduos, ela pegou o melhor exemplo humano que pôde encontrar: Dornal Mão Argêntea, um nobre e um Harpista que viveu perto de Inverno Remoto. Mystra então possuiu o corpo de Elue Shundar, uma feiticeira meio-elfa por quem Dornal já havia sido atraído. Mystra revelou sua presença e seu plano a Elue, que alegre e apaixonadamente concordou em compartilhar seu corpo com a deusa. Elue teria sido relutante, mas sob a influência da deusa a mulher se tornou sedutora, e Dornal viu suas investidas serem retornadas subitamente com grande fervor.

Dornal e Mystra/Elue se casaram no Ano das Estrelas Cadentes (760 CV). A primeira das sete filhas, Anastra Sylune, nasceu no inverno seguinte. As seis irmãs de Sylune vieram a intervalos de um ano: Endue Alustriel, Ambara Dove, Ethena Astorma (ela prefere o apelido “Storm” ultimamente), Anamanue Laeral, Alassra Shentrantra (conhecida hoje como Simbul), e Er’sseae Qilue. Essas filhas ficaram conhecidas pelos Reinos como As Sete Irmãs.

Dornal, que foi mantido no escuro quanto à verdadeira natureza de sua esposa através dos anos (provavelmente porque Mystra não gostaria de perder seus serviços), estava desapontado e até perturbado quando a sexta criança nasceu; ele sempre quis tanto filhos quanto filhas. Mais importante, ele estava vendo a sua esposa deteriorar diante dos seus olhos. A coexistência com a deusa por todos esses anos transformou Elue numa casca seca – em essência um lich, se prendendo à vida apenas por conta do poder de Mystra dentro dela.

Quando Elue carregava a sétima criança, Dornal consultou um sacerdote, que contou-lhe que sua esposa havia sido possuía por uma entidade de grande poder mágico. Para poupar os dois de uma agonia futura, ele tentou matar a forma física de esposa decapitando-a.

Logo que ele fez isso, Mystra foi forçada a revelar-se para ele, e explicou-lhe o seu plano. Exatamente como ela pensou que seria, Dornal ficou horrorizado como ele e sua esposa foram usados pela deusa. Ele deu as costas para o corpo de sua esposa, abandonou suas terras e suas filhas, e desapareceu no Norte. Mystra não desejou-lhe nenhum mal, e de fato protegeu-o nos últimos 30 anos de sua vida. Quando Dornal finalmente encontrou seu fim ele chamou por Mystra, e a deusa garantiu-lhe uma existência como seu servo. Agora conhecido como O Observador, Dornal Mão Argêntea viaja pelo mundo invisível para os mortais, continuando com a missão de localizar candidatos para preencher as posições de Escolhido e identificar possíveis ameaças a Mystra e seus asseclas.

* Este texto foi elaborado na época em que Bane foi considerado morto.



Sobre o Autor

Este texto é originado de um dos livros do jogo Baldur's Gate elaborado pela Interplay.

Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.