Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Notas de Romance
 
Meu Pedaço de Lua Argêntea
(Parte Dois)
Por Chesmyr Morrowynd (como contado para Ed Greenwood)
Tradução por Priscila Veduatto e revisado por Daniel Bartolomei.


Introdução

Preste atenção! Eu tenho mais para falar aqui, e melhor você escutar. Tempo suficiente tardio para deixar seus pensamentos vagarem.

Porões

Hollowhar é um bairro de trabalhadores, aonde visitantes que vêm para o Mercado podem, por algumas moedas, colocar seus animais nos estábulos ou estocar mercadorias nos porões das casas velhas e amontoadas. Quase todos estes galpões são feitos de pedra e completamente equipados com pés apressados, altas prateleiras de feno para os animais (em que podem ser escondidas muitas coisas rapidamente de olhos não desejados, note bem) e cochos de água cheios por longos canos gorgolejantes que vêm de cisternas que armazenam água da chuva no telhado em todos os meses, exceto os de neve.

A maioria destes porões é afundada uns bons 2 m abaixo da rua e são alcançados por barras transversais que calçam rampas de madeira. Janelas curvadas (geralmente lacunas abertas que podem ser fechadas com venezianas quando o tempo está severo, mas não possuem vidraças) nas paredes dos porões superiores se abrem diretamente na rua ao nível das canelas.


Baixa Resolução (103k) | Alta Resolução (823k)

A qualquer hora de dia ou noite tais lugares são guardados por guardas armados (freqüentemente filhos ou parentes da família dos donos dos edifícios acima), cada um passando o tempo falando e jogando com um agrupamento amigável de "jovens de lanterna" (entregadores meninos ou meninas que, por uma peça de cobre, podem conduzir forasteiros pelas ruas até seus destinos desejados). Tente roubar tal lugar, e os jovens se espalharão e chamarão pelos "Bastões", ao mesmo tempo que todos os guardas dos porões ao redor de tocam suas trombetas pela mesma razão.

Os Bastões

Agora, os Bastões são novos em Lua Argêntea, mas eles também são velhos e familiares. Quer dizer, houve patrulhas de vigília desde que eu respiro, mas o apelido "Bastões" (dado a eles por causa do bastão de metal negro que carregam, que são equipados em ambas as pontas com pequenos porta-velas que podem ser usadas acender pequenas tochas que fornecem pouca luz, mas também para rabiscar mensagens e pavimentos - ou queimar o rosto ou o cabelo de algum beberrão da maneira adequada, também) são novos, e assim é a composição destas patrulhas.

Espere ver seis ou sete homens armados e cobertos de couro (existem algumas mulheres, mas a maioria dos Bastões são homens) que usam gorjeiras e braceletes estampados com o distintivo simplificado em forma de uma lua prateado da cidade (e ele carrega algum tipo de encantamento, note bem, que os deixa serem localizados de longe através dos magos da Guarda dos Feitiços; me foi dito que eles são covardes, mas muito melancólicos quando tal magia está acordada). Há justiça rígida (prisão e leitura de pensamentos por um desses magos, mais pelo menos uma chibatada, e provavelmente mais um julgamento, se ele achar algo doentio em suas intenções ou ações enquanto revista suas memórias) para roubo ou regalias dos Bastões, ou por personificar um Bastão.

Cada patrulha é liderada por um Cavaleiro em Prata e sempre inclui pelo menos um outro Cavaleiro; se eles quiserem impressionar, estarão de mal humor, ou na agonia de uma escassez de roupas limpas, eles estarão em armadura completa. Com eles estarão alguns "camaradas" da milícia em treinamento, e provavelmente alguns veteranos (aventureiros feridos ou de pouca sorte que foram contratados por causa das moedas - e passaram em sessões regulares de leitura de pensamentos com a Guarda dos Feitiços). Se uma patrulha estiver experimentando dificuldade, um mago da Guarda dos Feitiços ou até mesmo dois, também podem vir, com talvez outros dois a quatro rapazes rápidos que podem escalar e podem correr e lutar.

Se você tem a idéia até agora de que Lua Argêntea é um lugar que vê pequenas dificuldades porque somente tolos tentam começar qualquer uma, você tem escutado e eu tenho dito algumas das coisas certas. Quer ser mau? Insulte as pessoas na universidade, guildas ou qualquer uma que a qual você pertença, atrás de portas fechadas onde os Bastões não serão chamados. Um estrangeiro com pressa de saborear problemas? Ocupe-se com diversões, espere as pessoas ficarem bebadas e então realize truques. Felizmente para pessoas como eu, os esnobes e bem vestidos que se lançam a diversões não moram em Hollowhar - ou a visitam de alguma maneira, a menos que eles estejam em algum jogo de sussurros e segredos ou outro.

Jogos de Sussurros e Segredos

Ah, sim, todo estrangeiro pergunta o que este nome significa. Sussurros e segredos - alguns são brincadeiras elaboradas, alguns são iniciações, alguns são fraudes em ricos e comerciantes ingênuos, e alguns são encontros de amantes.

Você vê, Argenteanos são em geral um povo inteligente, instruído - e se não lhes chamar a atenção construir coisas ou fazer canções ou ter idéias novas para por Faerûn em chamas (literalmente, em alguns casos!), eles crescem enfadonhos. Assim, alguns deles inventam jogos que consistem no que os Água Profundenses poderiam chamar desdenhosamente de "caça aos comedores de carniça", ou "encontre a raposa mascarada" ou "siga as pistas secretas" pela cidade - e às vezes os pequenos enigmas e descrições fantásticas conduzem ou enganam os jogadores em tais jogos em Hollowhar. Não freqüentemente, mas freqüentemente o bastante, eu cresci vendo jovens mascarados escalando e passado pela minha janela em noites quentes estreladas, ou sussurrando clichês e senhas erroneamente para mim na escuridão. Às vezes, é claro, eu cooperei; você não tem nenhuma idéia do quão engraçado pode ser dar direções erradas a uma dúzia de jovens ricos em uma noite, e vê-los enganarem-se uns aos outros ou se aproximarem do estrangeiro errado (e bastante confuso) ou o comerciante presunçoso.

Eu diria mais, mas eu seria forçado a reivindicar a Enguia do Olho Vermelho de você, ou adverti-lo que a Passagem da Senhora Sombria ou que Quatro Velas em Chamas… e eu odiaria o ver você ficar com aquele olhar confuso ou fugir para os Bastões ou para os magos da Guarda dos Feitiços com advertências medonhas que nos trarão dores de cabeça.

As Casas

Sobre os porões, a maioria das casas em Hollowhar possui um quarto com bancada que contém uma loja e dois ou três andares para habitação sobre a loja. Este é um bairro de escultores, que com ossos, dentes de bestas ou madeira, confeccionam harpas, ferramentas cabos de faca, pentes, flautas, tigelas, baús de mão, tabuleiros e peças de jogos e centenas de outras pequenas coisas que o povo que ama a beleza gosta de ver decorações. Algumas sociedades mercantis em Amn e Tethyr até vêm aqui para comprar pequenas lembranças esculpidas especialmente para eles (caprichos em pedras preciosas ou conchas que eles podem usar para significar "você me deve três castelos ou seis navios ou setecentos mil peças de ouro" ou qualquer coisa do tipo). Eu vi seus agentes escondendo-se, todos vestidos de seda e exibindo suas lâminas e armas encantadas e olhares ameaçadores, para completar as últimas ordens nos locais mais complicados, escondidos e trancafiados que a maioria dos escultores constroem em suas casas para frustrar os ladrões.

Escultores raramente penduram tabuletas, anunciam onde moram ou convidam os clientes para suas casas. Mais freqüentemente, clientes vêm às "casas de troca" locais (lugares que seriam chamados de tavernas se fossem maiores) e lhes pedem, e os jovens de lanterna locais vão e trazem quem foi chamado, ou quem quer que seja que eles pensem que o farão se aquele que foi chamado não quiser ser encontrado. O negócio dos escultores é freqüentemente realizado diante de garrafões nas casas de troca.

Assim os escultores vivem acima - com a exceção de Vrelda e do Poleiro de Gavião, dentre os mais anônimos - e suas lojas ficam no alvoroço logo abaixo.

As Lojas de Sacadas

As sacadas das fachadas tipicamente projetam-se para fora uns 2 a 3 m acima das ruas e são decoradas com toldos, janelas que podem ser abertas para deixar o a ar entrar e uma abundância de ervas e bonitas plantas florais penduradas que perfumam a rua. Escadarias pequenas e curvas esculpidas com encantadoras cabeças de dragão, fantásticas "nunca-rgulas" (quer dizer, lindos gárgulas grotescos que ninguém nunca verá na natureza), e corrimãos fuso-espiralados fluem unindo a rua com as lojas; escadarias com partes posteriores grandes e planas ascendem dos porões a todos os níveis do edifício acima. Saborosas placas com letreiros (a moda local é letra corrente, estilo élfico, elaboradamente entrelaçada, com todas as curvas, travessões e barras que parecem fluir naturalmente em lugar de serem esculpidas e alisadas) adornam a maioria das lojas, freqüentemente penduradas em correntes entres as plantas, ao invés de se sobressair atrevidamente diante das sacadas, como é o costume na maioria das outras cidades.

Em geral, lojas em Lua Argêntea são apertadas e confortáveis - até mesmo as maiores são tão entulhadas com mercadorias que os cantos ficam próximos. E ainda quando se precisa de espaço (quartos ajustados e "passeios diante dos espelhos" nos estabelecimentos que vendem vestidos bons para senhoras de muitas moedas, por exemplo), amplo espaço será providenciado. Lojas tendem a serem bem arejadas, com sombras onde for possível e com infinitos fluxos de água corrente (esculturas de "quedas de tubos" que derrubam água de cisternas dos telhados por canos de metal, vidro ou tubos de madeira que fazem sons agradáveis e jogos de luz são comuns).

Não são para mim os "principais momentos" do mais luminoso, maior, mais novo e mais caro Banco do Sul ou Loja da Sombra do Palácio, mas deixe-me contar-lhes sobre meus favoritos estabelecimentos, os mais modestos de Hollowhar.

Enchendo sua Barriga

Naturalmente eu começaria lhe contando onde conseguir comida em Hollowhar, mas me ocorre que é melhor eu dizer algumas palavras sobre o que os Argenteanos comem, em primeiro lugar. A resposta impertinente, claro, é de tudo - e isso é verdade, se você tiver bastante moedas. Frutas podem estar escassas no inverno e na primavera, claro, e muito do que pode ser comido está em conserva, mas a Gema do Norte pode agradar a todos os paladares.

Mas para nós, povo mais simples, tentando fazer nossas moedas de cobre esticarem, tendemos a sobreviver com refeições diárias que giram ao redor de porções maiores ou menores de sopa ou guisado, peixe ou carne, pão e bebida.

As sopas mais populares são as de cebola e queijo; cogumelo e vinho; pimenta, alho porro e batata; e coelho e alho porro, considerando que os guisados são cozidos com batatas mais ossos de carne e restos (carne de carneiro com pimenta e carne de veado são provavelmente os mais populares). O peixe pode ser enguia condimentada fria ou torta de enguia, ou caranguejo de rio recheado. A carne será de coelho, ou de rothé, assados, ou alguma preparação de pomba ou pato.

Entre os ricos, Lua Argêntea é conhecida por seus pães doces e seu "pão de ovo" amarelo dourado, mas para meu gosto, o "pão preto" é o melhor: "pão de forma duro" pequeno, redondo, de ricas nozes escuras que ajusta na mão.

Quando "trabalhando" a bebida Argenteana, eles descem altas e esbeltas canecas tampadas de cerveja preta ou "vinho de lua" temperado. Esse último não é nada como o famoso "vinho de lua", mas é uma mistura local temperada com condimentos disto e daquilo, mais junípero e outras frutinhas da floresta, fermentadas em porões locais. Como você bem poderia adivinhar, varia muito em gosto e desejo de barril para barril.

Qualquer casa de troca pode providenciar todas as provisões de um dia de trabalho que eu há pouco listei, mais uma variedade de chás e bebidas importadas, algumas rodelinhas de queijo, e cebolas selvagens em conserva ou às vezes espetos de azeitonas em conservas importadas do sul da Costa da Espada. As melhores casas correm para fazer cardápios de encher a boca de água, mas Hollowhar só tem um tal lugar luminoso: A Casa das Espadas Caídas.

A Casa das Espadas Caídas

No lado oriental da Travessa dos Catadores de Nozes de frente para a boca da Rua Bosque Druin fica o principal estabelecimento de Hollowhar. Seus porões foram fechados para fazer um nível mais baixo de cozinhas, despensas e banheiros (separados e de cômodos bem generosos e particulares dos "criados" e das "criadas", com água encanada e pias grandes), assim da rua você verá paredes de madeira elegantemente decoradas com painéis entre colunas de pedra (nos cantos e uniformemente espaçadas ao longo de ambas as paredes laterais) esculpidas nas formas de damas élficas sorridentes. Hmm; esses devem ser sorrisos bastante frios, considerando os leves lençóis que eles descortinam e quão frio fica por aqui em noites de inverno.

Esses pilares curvos sustentam um toldo largo desbotado com musgos luxuriantes e com fileiras de vasos de pedras pendurados (normalmente cheios de ervas e flores de videira) sobressaindo das paredes acima, onde dois andares de pessoas, que deve ser bastante difícil escutar, vivem. Eu suspeito que a maioria dos empregados do lugar está entre eles e estão acostumados a todo tipo de barulho de cozinhar e servir e clientes chegando e conversando a toda hora. Pessoas vêm de muitas partes da cidade pela comida daqui, apesar de não ser uma sala de jantar palaciana como muitas em Lua Argêntea, nem grande o bastante para todos que gostariam de se aglomerar lá dentro. Um número justo de clientes janta aqui e então vão passear em outros dois estabelecimentos mais modestos de Hollowhar, ou outros mais próximo às suas casas, para conversar e beber o resto da noite.

Eu normalmente conheço os mestres harpistas que compram meus fios aqui, apesar de suas lojas estarem em partes mais nobres da cidade; graças à comida e os preços justos (você pode gastar até sete vezes mais por tarifa semelhante, em qualquer outro lugar em Lua Argêntea), eles não ligam para ter que andar. Se você estiver atrás de harpas menores e menos exorbitantemente caras que a maioria das pessoas prefere, eu posso recomendar cordialmente meus próprios clientes: Altymo Phaernphar (as Melhores Harpas de Phaernphar, Banco do Norte, Travessa da Vela de Estrela), Arilyn Dathlue (Harpas Melodias do Coração, Banco do Norte, Rua Bosque dos Goblins), e Markovel Pedra da Tempestade (o Harpeiro da Pedra da Tempestade, Banco do Sul, Travessa de Mrellow).

A maioria dos estabelecimentos são lugares abarrotados com prateleiras de bebidas ao redor das paredes. Os clientes que bebem enchem o chão da laje, e uma barra central se sobressai da parede do cômodo dos barris e distribui muito vinho, quase tanta cerveja, bebidas fortes, e caldos quentes e sopas nos meses mais frios.

O Espadas Caídas é igual, mas possui quatro "mesas comunais" longas para jantares, e quase duas vezes o tamanho habitual para acomodar os clientes. Para sentar-se, bancos presos sob os pés das mesas, o serviço é austero e o lugar tende ser vagamente iluminado, para não dizer escuro. Aberto a todas as horas, o Espadas Caídas é alcançado subindo um degrau largo, gasto pelo uso atrás de um arco ao nível da rua. A escadaria ascende só um pouco antes de alcançar uma porta de madeira robusta (aumentada com magia também, me falaram) a qual o trinco é formado por duas espadas cujas lâminas foram cegadas e soldadas juntas, de forma que dois cabos ornamentais das espadas estão a acima e abaixo de uma barra de metal larga e plana que se salienta a madeira da porta.

Lá dentro está sempre cheio, sem dúvida. Mestre Jarvalar Buckman e quatro senhoras bondosas de meia-idade chamadas Alyth, Cathla, Ilmaeri, e Ninrae distribuem comida e bebida (a última sempre pela caneca, a preços de 2 PC variando até 6 PO, dependendo de qualidade). Refeições vão de 2 PP (para "refeições baixas") até 6 PP (para "refeições altas") por travessa servida (uma sopa ou um caldo é apresentado em uma tigela colocada em uma travessa com guarnições).

Guarnições típicas incluem figos ao mel, amêndoas assadas, limões e marmelo conservados, biscoitos besuntados com alho ou manteiga de noz e tortas de fruta ou "savories" (tortas com recheio de pomba ou coelho picadinhos e cozidos, misturados com lima ou molho de frutinhas).

Baixas refeições incluem todas as sopas e caldos (o Espadas Caídas é especialista em caldo de carne de veado e cogumelo), fígado de pato, batatas de thaevor (thaevor é um queijo amarelo e forte do local), cogumelos ao creme, lingüiça de cordeiro picante e pêras marinadas no vinho e tammars Calishita. [1]

Altas refeições são normalmente travessas de casco de tartaruga, pomba assada e bifes de rothé (secos) com "pimenta do fogo", mas em noites mais raras um cliente poderia desfrutar javali com maçãs fatiadas, coelho em zzar, pato com frutinhas, assado de pato com castanhas, codorniz inteira no espeto e cozida na manteiga, frango cortado em cubinhos (frito em alho, nozes e gengibre), ou marisco de rio (cozido em vapor com peixe recheado com cebola e sarsae - o fruto saboroso do Norte parecido com tomate de casca dura e forte - e ervas).

O preço de uma refeição alta sempre inclui um "acompanhamento" de uma fina fatia de queijo e frutas e um pequeno cordial (zzar ou uma aguardente de frutas) para "limpar a garganta" depois da refeição principal.

Notas do Ed

[1] Algo como tangerinas ou clementinas, mas com uma casca vermelha não comestível.



Para ver esta e outras publicações de romances vá para nossa seção de suplementos - romances.

Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.