Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Portais Perigosos
 
Os Portais da Garra dos Dragões

Por Robert Wiese.
Tradução por Airton Alves Medina.

Dragões vivem sobre a superfície de Faerûn, fazendo o mal ou o bem conforme suas naturezas ordenam. A única coisa em comum é que todos eles acumulam tesouros, seja em cavernas ou em buracos no solo da floresta. Solitários por natureza, eles competem um com o outro como muitos enquanto saqueiam entre os humanóides. A maioria das pessoas pensa que dragões não constroem e utilizam portais, e para a maioria eles estão corretos.

Exceções existem, de qualquer forma. Neste artigo, encontra-se um dragão mago que construiu uma rede de portais para o uso de dragões malignos. Os portais são coletivamente chamados de Garra dos Dragões, porém na verdade o nome soa mais imponente do que apropriado. Na verdade, os portais possuem um padrão vagamente similar a uma garra através do continente, mas o nome realmente indica que nenhum local está verdadeiramente além do alcance dos dragões caçadores de tesouro.

Descubra as conexões secretas dos portais na Garra dos Dragões:

Os Portais do Grande Pântano
O Portal das Montanhas Pequenos Dentes
O Portal da Floresta dos Dragões
O Portal das Montanhas Pico do Dragão
O Portal das Montanhas Mandíbula do Dragão

Estatísticas e informação suplementar:

Valraxaxath, Dragão Negro construtor de portais

Você pode colocar este conjunto de portais em uma campanha de longo período, com os personagens juntando peça por peça de informação antes deles tentarem selar os portais e parar o dragão negro que os construiu. Deste modo, a maioria dos portais pode ser introduzida separadamente; sugestões estão incluídas em cada portal. Portanto, você pode iniciar tentando-lhes todos juntos conforme os personagens ficam poderosos o suficiente.

Os Portais do Grande Pântano

Profundamente dentro do coração de Rethild, o Grande Pântano, encontra-se uma cidade abandonada. Alguns acreditam que ela seja o lar de uma raça há muito esquecida. Perigos pantanosos tais como arbustos errantes, tendriculoses, e homens-lagarto mantém os casuais e despreparados visitantes distante do local, e poucos tem algumas vezes retornado de lá. Nenhum deles retornou com riquezas.

Valraxaxath descobriu o pântano em suas viagens, e sentiu que ali era o local perfeito para seu covil inalcançável, então quando ele começou a criar sua rede de portais, escolheu a cidade como sua base. Seu covil se localiza profundamente dentro de um templo arruinado ou construção governamental (é impossível saber de qual era); parte dele está submerso. Ele descansa em uma seção inundada e utiliza as antigas construções e ruas como canais. Seu tesouro principal esta armazenado aqui, mas ele representa somente aproximadamente 60% da riqueza que Valraxaxath adquiriu em sua vida.

Valraxaxath possui dois portais aqui. As primeiras conexões com o resto da rede de portais da Garra dos Dragões. Este é um portal de tamanho triplo, variável com chaves exigidas para todas as destinações. Cada chave é simples porque Valraxaxath assume que somente ele vai sempre usar este portal, então adaptou as chaves para serem ele mesmo. O usuário designa a localização desejada (Pequenos Dentes, Floresta dos Dragões, Montanhas Pico do Dragão, Montanhas Mandíbula do Dragão) em Dracônico, e o portal conduz até esta destinação. O portal aqui está constantemente ativo. Desde que todos estes portais nestas localizações necessitam de Valraxaxath como a chave para alcançar tal local, o dragão negro sente-se muito seguro.

O Segundo portal é um portal de sentido duplo constantemente ativo com sua destinação em uma profunda caverna em Ossos do Dragão. Valraxaxath mantém seu segundo acúmulo de tesouro nesta caverna, e ele faz adições a seu tesouro o enviando aqui primeiro (seja através de outros portais ou pelo uso de magia). Nenhuma chave é necessária para este portal. Antigas passagens arcadas que uma vez formavam pontes sobre as ruas da cidade abandonada sinalizam ambos este e a rede de portais.

Valraxaxath gosta da solidão e do ambiente pantanoso, e ele assumiu algum controle sobre o pântano perto da própria cidade. Ele não possui qualquer guardião no pântano porque os perigos naturais são o suficiente para manter a maioria distante. Alguns homens-lagarto que vivem no pântano fornecem a ele informação sobre viajantes e as atividades justamente de fora do pântano, e Valraxaxath utiliza sua habilidade de espionar para manter um olho em seu lar mesmo quando distante.

Como Incorporar os Portais do Grande Pântano Em Sua Campanha

Já que estes portais estão no covil de Valraxaxath, é improvável que os personagens possam encontrar estes primeiro. Estes entrarão no jogo no final da campanha contra Valraxaxath. Veja o restante dos portais para sugestões de implementação na campanha.

O Portal de Pequenos Dentes

Criar portais é muito caro e necessita de materiais de custo elevado. Desse modo, Valraxaxath necessita de um portal próximo a um centro comercial onde a riqueza seja valorizada acima de todas as coisas. As Montanhas Pequenos Dentes no sul de Amn são perfeitas, e elas são o lar de um grande ancião azul, também. Valraxaxath utiliza este local para negociar com o povo de Amn em Murann, e ele não foi mais devagar em suas negociações mesmo quando os ogros magos tomaram o controle deste área. Caravanas ricas também fornecem uma boa fonte de tesouro para seu acúmulo, e dragões de terras distantes vem caçar riquezas nestas terras. Eles podem também usá-lo para escapar de aventureiros importunos que os caçam com atenção demais.

O portal está posicionado nas elevadas montanhas, acima de onde a maioria dos humanóides vive. O portal é de tamanho triplo variável, que utiliza chaves para selecionar cada destinação. O próprio portal se situa em um anel de rocha natural flutuando baixo sobre um afloramento e pode ser alcançado somente por criaturas voadoras. Se as criaturas voarem através do portal e ele não estiver ativo, elas colidem no lado da face rochosa, que é extremamente doloroso. Ele fica aberto somente quatro vezes no dia.

A destinação padrão do portal é uma profunda caverna debaixo dos Picos da Chama em Chult, e aqueles emergindo dele saem em um ponto distante o suficiente da saída onde aqueles sem conhecimento da área provavelmente não encontrariam seu caminho antes que as salamandras e outras criaturas do fogo atacassem. Estas batalhas tendem a ocorrer rapidamente já que o portal transporta as criaturas para esta caverna enquanto ele transporta todo o seu equipamento para o acúmulo secundário de Valraxaxath em Ossos do Dragão (sul de Shaar). A magia analisar portal pode demonstrar que o portal de Pequenos Dentes possui muitas destinações, mas ele está focado somente na destinação de Pequenos Dentes.

As outras destinações conectam ao restante da Garra do Dragão, e cada qual possui uma chave como segue:

O portal para a Floresta dos Dragões necessita de um sopro de dragão para ativar. Soprado através do portal enquanto se aproxima, e ele se ajusta para esta destinação.

O portal para as Montanhas Pico do Dragão necessita que uma magia seja conjurada no portal para ativá-lo. Qualquer magia o fará funcionar.

O portal para as Montanhas Mandíbula do Dragão necessita que o usuário pronuncie a palavra "gema" em Dracônico.

O portal para Rethild necessita do próprio Valraxaxath como a chave; a menos que ele utilize uma das outras chaves, Valraxaxath sempre vai até Rethild quando utiliza este portal.

Os humanóides locais, especialmente aqueles nos exércitos dos ogros magos, tem percebido dragões verdes e brancos voando, saindo ou entrando, em Pequenos Dentes com o passar dos anos ou algo assim. Muitas vezes estes dragões retornam para as montanhas carregando com eles carroças em suas garras. Eles até possuem relatos que dragões vermelhos e verdes, ou verdes e brancos, estão cooperando. Um sobrevivente de um ataque de dragão diz, “Duas grandes bestas atuaram em conjunto, interrompendo a nossa fuga e reagindo contra nossas tentativas de matar um ou o outro com distrações ou ataques devastadores vindos por trás. Eu sobrevivi somente porque as bestas imaginavam que Eu estivesse morto”. Tensões na região sul de Pequenos Dentes estão aumentando, mas o ataque total dos dragões que alguns temem não se materializou. Isto é porque Valraxaxath necessita manter relações com seus parceiros comerciais aqui, então ele retém os outros dragões de certa forma. O Norte das montanhas esta de temporada aberta para ataques de dragões.

Como Incorporar o Portal de Pequenos Dentes Em Sua Campanha

Personagens jogadores podem se deparar com dois ou três dragões atacando uma caravana muito grande. Os dragões fogem ou carregam as mercadorias até Pequenos Dentes. Conhecimento local revela que no mínimo um dos tipos de dragão não é natural desta área, e os mercadores contratam os personagens para localizar suas mercadorias perdidas.

Valraxaxath está tendo problemas com dragões de cobre nas Montanhas Mandíbula do Dragão próximo a Aglarond. Disfarçado como um mago/mercador humano em Murann, ele convida os heróis para viajar até estas montanhas e investigar os rumores que dragões malignos estão fazendo se passar por dragões de cobre e interrompendo o trabalho dos gnomos nas minas. Coincidentemente, alguns dragões de cobre estão fazendo boas ações para os gnomos que observam com muita suspeita. Valraxaxath (não utilizando seu próprio nome) conta aos personagens como utilizar o portal para chegar até Aglarond, porém omite a parte sobre eles terem que voar para utilizá-lo.

Uma dragonesa de prata foge de dois dragões vermelhos e utiliza o portal das Montanhas Pico do Dragão até Pequenos Dentes. A dragonesa de prata está próxima da morte, porém os PJs encontram-na enquanto ela mergulha para a morte (queimada, naturalmente). Os dragões vermelhos desaparecem de volta através do portal. Antes de morrer, a dragonesa de prata relata para os personagens que as duas cadeias de montanhas estão conectadas e sugere que eles tentem fechar o portal antes que mais dragões vermelhos passem através dele. Infelizmente, a dragonesa de prata não possui uma grande memória, e estava apressada de qualquer modo, e portanto ela não se recorda onde o portal está localizado.

O Portal da Floresta dos Dragões

Profundamente dentro da Floresta dos Dragões vivem dragões verdes. Grande porção de dragões verdes. Nem tantos para que eles sejam uma real ameaça para as Terras Centrais do Oeste, porém, no entanto lá há uma porção deles. Estes dragões governam a floresta, e intrusos se deparam a si mesmos respirando gases nocivos se eles não forem bem vindos ou se estiverem carregando uma grande porção de coisas de valor.

A floresta está muito próxima do Caminho do Comércio, a principal rota comercial de Águas Profundas até o Mar Interno. Ela está também a um dia de viagem de vôo de dragão das Colinas das Serpentes e o Charcos Elevados. Por todas essas razões, a localização era praticamente irresistível para Valraxaxath. O portal aqui esta profundamente dentro da própria floresta, marcado por duas grandes árvores e colocado alto nos galho para de modo que dragões em vôo possam usá-lo facilmente. Como uma conseqüência, o usuário precisa voar para usar o portal. Ele é de tamanho dobrado, mas ele pode se adequar à maioria dos dragões. Semelhante ao portal de Pequenos Dentes, ele é um portal variável que necessita de várias chaves. Ele pode ser utilizado quatro vezes por dia.

A destinação padrão para o portal esta profundamente dentro do Pântano Mortick em Luiren, onde ogros aquáticos e scrags aguardam. Qualquer um que sobreviver enquanto tenta deixar o pântano é realmente um herói, porque o portal transporta as criaturas para esta morte pantanosa enquanto seu equipamento vai para o acúmulo secundário de Valraxaxath em Ossos do Dragão.

Ativar o portal para as outras destinações necessita de uma chave específica para cada destinação:

O portal para as Montanhas Pequenos Dentes necessita do sangue de um humanóide ou animal morto recentemente (dentro das últimas 8 horas).

O portal para as Montanhas Pico do Dragão necessita que uma magia seja conjurada no portal para ativá-lo. Qualquer magia o fará funcionar.

O portal para as Montanhas Mandíbula do Dragão necessita que o usuário pronuncie a palavra "gema" em Dracônico

O portal para Rethild necessita do próprio Valraxaxath como a chave; a menos que ele utilize uma das outras chaves, Valraxaxath sempre vai até Rethild quando utiliza este portal.

Pretensos matadores de dragão têm perecido quando encontram um dragão azul ou vermelho enquanto que eles estavam preparados para dragões verdes, e ocasionalmente dragões cromáticos de outras cores vão ajudar os dragões verdes se uma porção de “heróis” invadir a floresta. Apesar de tudo, os dragões verdes são muito úteis em ajudá-los com seus próprios problemas. Os outros habitantes da floresta têm se preocupado que dragões vermelhos, azuis, negros, e os ocasionais brancos têm fixado residência, mas quando alguém se acostuma a ter dragões verdes ao redor todo o tempo, um dragão de uma coloração diferente não muda em nada, e os outros dragões deixam a floresta solitária. O povo que utiliza o Caminho do Comércio, de outro modo, está muito perturbado pelo crescimento da freqüência e audácia dos ataques de dragões.

Como Incorporar o Portal da Floresta dos Dragões Em Sua Campanha

Se o grupo contém pretensos matadores de dragão, eles entram na floresta para caçar um dragão verde e reclamar seu tesouro, porém correm em direção de um dragão azul ou negro ao invés disso. O dragão, não utilizado para combater na floresta, se retira até o portal e desaparece através dele. Os personagens podem tentar segui-lo e provavelmente vão terminar indefesos no Pântano Mortick no momento de passar através dele.

Governos de cidades ou distritos locais estão ficando mais e mais preocupados a respeito da atividade de dragões dentro e ao redor da floresta. Adivinhações revelam que os dragões estão vindo de outro lugar, e os governos ou seus representativos contratam ou requisitam os personagens jogadores para encontrar e investigar esta origem dos dragões para que então alguma coisa possa ser feita.

Os personagens investigam os rastros de alguns bandidos trolls e os seguem profundamente para dentro da floresta. Enquanto estão em sua busca, eles enxergam um dragão branco aparecer saindo de uma fina camada de ar no portal (vindo das Montanhas Pico do Dragão) e voar para longe sobre as árvores. Os trolls pensam que o portal é alguma espécie de local sagrado e dão a ele ampla importância. Eles podem, se capturados, contar sobre a passagem do dragão através deste estranho local.

O Portal das Montanhas Pico do Dragão

Localizada a oeste do Mar da Lua, as Montanhas Pico do Dragão são o lar para dragões vermelhos e brancos nos picos mais elevados, e gigantes e monstros nas altitudes mais baixas. Forte Zhentil, Melvaunt, e Colinas Distantes, todas exploraram a cadeia, e a infame Cidadela do Corvo está nas inclinações mais a oeste. Valraxaxath conectou este local a sua rede de portais por causa dos dragões vermelhos e brancos, porém acesso às minas e ao Forte Zhentil e outros lugares no Mar da Lua não são depreciados. Os dragões desta cadeia evitam a Cidadela do Corvo, mas eles vão livremente a outros lugares nas montanhas. Ferozmente independentes, como a maioria dos dragões são, eles possuem covis nos picos e pequenos territórios que eles defendem. Valraxaxath falou com eles em minimizar sua proximidade para que então pudessem aumentar o tamanho de seus respectivos tesouros, mas aventureiros encontraram o ocasional corpo de dragão próximo a um covil vazio.

Valraxaxath faz negócios com mercadores de Mulmaster e Forte Zhentil também com os Thayanos nos Enclaves de Thay. Ele também se mantém atentos dos mercenários e forças Zhent, porque nunca ninguém pode saber quando vai necessitar de recursos disponíveis. Ele utiliza a forma humana quando está nesta região, ainda que raramente utilize o portal por si mesmo.

O portal aqui é o mais óbvio de todos aqueles na rede, porém ele está no topo do pico que poucos a não ser dragões alguma vez sobem. Desde que o portal foi construído, ninguém sobreviveu a escalada, ainda que todos eles estivessem completamente interessados. O portal, um de tamanho triplo, é demarcado por uma grande formação de pedras na forma de U que aparentam se assemelhar a um encaixe de remo e possui aproximadamente 6 m transversalmente. Alguém pode acessá-lo através da escalada até ele, mas a escalada é extremamente traiçoeira mesmo sob a melhor das condições climáticas.

O portal é variável, semelhante a outros desta rede, e ele pode ser ativado quarto vezes por dia. A destinação padrão é um ponto no meio do Raurin, o Deserto de Pó a leste de Mulhorand. Este deserto é o lar para dragões marrons e azuis que devoram qualquer coisa comestível que subitamente apareça vinda do portal. Semelhante a outros portais na rede, criaturas são transportadas para o deserto, enquanto seu equipamento é direcionado para o acúmulo secundário de Valraxaxath em Ossos do Dragão. É provável que no futuro Valraxaxath possa construir um portal de sentido duplo neste local para trazer os dragões marrons para sua rede.

Todas as outras destinações necessitam de uma chave:

O portal para a Floresta dos Dragões necessita de um sopro de dragão para ativar.

O portal para as Montanhas Pequenos Dentes necessita do sangue de um humanóide ou animal morto recentemente (dentro das últimas 8 horas).

O portal para as Montanhas Mandíbula do Dragão necessita que o usuário pronuncie a palavra "gema" em Dracônico.

O portal para Rethild necessita do próprio Valraxaxath como a chave; a menos que ele utilize uma das outras chaves, Valraxaxath sempre vai até Rethild quando utiliza este portal.

Com os Zhentarim, magos poderosos, e mercenários perigosos, os residentes da região do Mar da Lua não tem realmente imaginado muito do crescimento de ataques de dragão as caravanas mineradoras. Eles assumem que algum mago ou outro esteja por trás disso, e eles mantém suas bocas fechadas. Os Zhentarim perceberam, mesmo que os ataques tenham sido leves se comparados a outros lugares em Faerûn. Muitos grupos de mercenários têm sido enviados para os picos para negociar com este ou aquele dragão, e seus restos tem sido encontrados carbonizados ou queimados por ácido e destroçados por causa da queda de aproximadamente 300 metros. Reuniões sobre indagações destes restos têm fornecido a informação que a maioria morre quando um segundo dragão, muitas vezes algum de uma cor não conhecida viver nos Picos do Dragão, ataca apenas quando os mercenários estão quase aniquilando seu dragão alvo. Um relato inclui referências a um dragão que conjura evaporação e uma magia semelhante a uma bola de fogo ácida antes de regurgitar ácido. Fzoul e seus magos seniores continuam monitorando a situação, mas eles não tomam fortes ações por causa de outros projetos que exigem sua atenção.

Como Incorporar o Portal das Montanhas Pico do Dragão Em Sua Campanha

Os personagens estão nos Picos do Dragão negociando com gigantes ou ogros quando vêem um imenso dragão voando sobre eles carregando uma carruagem. Um par de moedas de ouro cai no solo próximo a eles. Eles podem descobrir nas cidades locais de sua escolha que uma caravana de carruagens está atrasada em chegar vinda da Terra dos Vales. Eles encontram os restos da caravana. Eles são requisitados para caçar o dragão e recuperar o ouro — se os PJs não ficarem interessados por si próprios. O dragão foge através do portal para as Montanhas Mandíbula do Dragão, e uma trilha de "migalhas de pão" de moedas conduz em direção a estrutura do portal.

Nas Terras dos Vales, os personagens estão atolados até o pescoço com problemas com algumas criaturas malignas tais como drow quando um dragão voa sobre suas cabeças. Ele vê os personagens e solta um ataque de sopro antes que se mexam. Depois o dragão ataca uma fazenda ao sul, e os personagens são requisitados para solucionar este problema, também. Pode ser que o dragão esteja tirando vantagem da outra situação que os personagens estão lidando, ou ele pode ser o instigador. A trilha conduz de volta para os Picos do Dragão e talvez até para o próprio portal.

O Portal das Montanhas Mandíbula do Dragão

A cadeia de montanhas da Mandíbula do Dragão é lar para alguns clãs de gnomos, que fabricam joalherias, ferramentas, e invenções. Eles então comercializam estes objetos e ferro com os humanos na não muito distante cidade de Milvarune. Um pequeno número de dragões de cobre vive nestas montanhas, também. À parte dos dragões de cobre, a presença de gnomos com gemas e metais e outras mercadorias é uma forte tentação, e Valraxaxath sente isso o obrigar a conectar esta área a sua rede de portais. Os dragões de cobre podem não estar interessados em seus planos para trazer mais riqueza para os dragões, mas uma abundante quantidade de dragões azuis, vermelhos, e brancos acham os gnomos não somente uma boa fonte de riqueza, mas saborosos também. Desconhecido para muitos em Thesk, uns poucos dragões cromáticos tem se movimentado para as Mandíbulas do Dragão e tem começado a saquear os gnomos de um modo discreto. Os gnomos perceberam, naturalmente, e não sabem de onde estes novos dragões vieram, ou porque seus amigos dragões de cobre não sabem também.

O portal está localizado, semelhante aos outros nesta rede, nos picos mais elevados. Este, no entanto, está em uma caverna que uma vez serviu como o covil de um dragão de cobre. Valraxaxath o matou a aproximadamente trinta anos atrás. O portal está atualmente fixado na abertura da caverna para o covil e possui três vezes o tamanho normal de um portal. Somente se utilizar o portal vindo do exterior, aqueles que entram aparecem na caverna e partem através da abertura do portal. Este portal funciona quatro vezes por dia, e, para alcançar qualquer destinação, alguém é obrigado a ativá-lo com uma chave. Ele é variável, com nenhuma destinação padrão. Valraxaxath não procura que qualquer um aparece na caverna e então acidentalmente seja enviado para algum local perigoso.

As chaves e destinações são as seguintes:

O portal para as Montanhas Pequenos Dentes necessita do sangue de um humanóide ou animal morto recentemente (dentro das últimas 8 horas).

O portal para as Montanhas Pico do Dragão necessita que uma magia seja conjurada no portal para ativá-lo. Qualquer magia o fará funcionar.

O portal para a Floresta dos Dragões necessita de um sopro de dragão para ativar.

O portal para Rethild necessita do próprio Valraxaxath como a chave; a menos que ele utilize uma das outras chaves, Valraxaxath sempre vai até Rethild quando utiliza este portal

Com poucos na área mesmo sabendo que um problema está se armando, os novos dragões têm estado em um ritmo fácil para iniciar acúmulos. Eles estão se movendo lentamente, porque uma erupção de dragões escravagistas entrando nas colinas vai ser ruim para seus planos. Os gnomos têm aumentado suas defesas, mas eles estão ainda trabalhando sob o paradigma do “dragão solitário”, e eles estão indo em direção a uma desagradável surpresa.

Como Incorporar o Portal das Montanhas Mandíbula do Dragão Em Sua Campanha

Um clã de gnomos pode pedir aos personagens para proteger uma caravana unida para Milvarune.
Dois dragões atacam-na ao mesmo tempo. Após a carnificina, os dragões dividem os espólios, e cada um pega uma carruagem e voa para longe. Um voa até o portal e o outro para um covil. Visto que o portal se assemelha a entrada de um covil, ele pode reter os personagens um pouco enquanto compreendem o que esta acontecendo.

O Caminho Dourado, a rota comercial entre Kara-Tur e Faerûn, termina em Thesk. Ele é o alvo principal dos bandidos, e algumas pessoas perceberam um súbito aumento nas atividades relacionadas a bandidos. Os personagens são requisitados para patrulhar a região e impedir os bandidos de atacar a próxima caravana daqui a dois dias. Os bandidos tomam a caravana, mas eles não mantêm sua riqueza por muito tempo. Os bandidos possuem um covil nas Montanhas Thesk, e os dragões das Montanhas Mandíbulas do Dragão furtam o saque roubado do esconderijo dos bandidos. Os personagens têm que encontrar o saque perdido para prevenir um problema maior na região, e o rastro torna-se completamente complicado.

Uma outra criatura, talvez uma mantícora conjuradora ou um gorgon, descobriu o portal nesse local e uma das chaves (escolha baseada na criatura utilizada). Ela utiliza o portal para atacar ou saquear ou espionar em ambas as localizações. Se for espionar, então ela possui alguma forma humanóide que ela possa assumir. Os personagens de algum modo ficam envolvidos; talvez a forma humanóide se assemelhe a um dos personagens. Eles são obrigados a descobrir quem é o espião ou saqueador e como ele esta obtendo esta segurança.

Valraxaxath (Dragão Negro)

Valraxaxath: Dragão negro adulto jovem Mag18; ND 31; dragão Enorme (água); DV 22d12+110 mais 18d4+90, (388 PV); Inic. +4; Desl 18 m, natação 18 m, vôo 45 m (pobre); CA 29 (toque 8, surpresa 29); Atq corpo a corpo: mordida +37 (dano: 2d8+8) e 2 garras +35 (dano: 2d6+4) e 2 asas +35 (dano: 1d8+4) e pancada com a cauda +35 (dano:2d6+12); Face/Alcance 3 m x 6 m/3 m; AE Sopro (jato de ácido de 30 m), esmagar 2d8+12, presença aterradora, habilidades similares à magia, magia; QE Percepção às cegas 63 m, corromper água, RD 10/+1, imunidades, sentidos aguçados, magia idiomas permanente (nível de conjurador 17º), RM 21, respirar na água; Tend CM; TR Fort +27, Ref +22, Von +24; For 27, Des 10, Con 21, Int 25, Sab 15, Car 14.

Perícias e Talentos: Alquimia +19, Blefar +15, Concentração +37, Diplomacia +28, Esconder-se -8, Intimidar +4, Conhecimento (arcano) +33, Conhecimento (geografia) +21, Conhecimento (história) +19, Conhecimento (natureza) +19, Conhecimento (planos) +36, Ouvir +26, Espionar +34, Procurar +29, Sentir Motivação +13, Identificar Magia +44, Observar +26, Natação +16; Prontidão, Criar Item Maravilhoso, Criar Portal, Substituição de Energia (ácido), Estender Magia, Investida Aérea, Iniciativa Aprimorada, Maximizar Magia, Ataques Múltiplos, Magia Persistente, Acelerar Magia, Escrever Pergaminho, Conversão Arcana (teletransporte), Foco em Magia (Transmutação), Dominar Magia (bola de fogo, metamorfosear-se, teletransporte, desvanecimento, velocidade, dissipar magia, imobilizar monstro), Conjurador Pródigo (mago).

Sopro (Sob): Valraxaxath pode cuspir um jato de ácido até 30 m. Este ataque permite um teste de Reflexos (CD 26) para metade do dano. Uma vez que tenha utilizado seu sopro, ele não pode fazer isso novamente por 1d4 rodadas. Ele é imune a seu próprio sopro.

Esmagar: Quando voar ou saltar, Valraxaxath pode pousar em oponentes com três ou mais categorias de tamanho menores do que a sua própria como uma ação padrão, utilizando todo seu corpo para esmagar-lhes. Um ataque de esmagar afeta tão muitas criaturas como possam caber sob seu corpo. Cada criatura dentro da área afetada é obrigada a obter sucesso em um teste de Reflexos (CD 26) ou ficar imobilizada, automaticamente recebendo dano de concussão durante a próxima rodada a menos que Valraxaxath saia. Se ele escolher manter a imobilização, trate isso como um ataque normal de agarrar. O oponente recebe 2d8+12 pontos de dano de esmagamento a cada rodada que ele mantiver a imobilização.

Presença Aterradora (Sob): Esta habilidade entra em efeito automaticamente quando Valraxaxath ataca, investe, ou voa alto. Ele afeta somente oponentes com 21 ou menos Dados de Vida ou níveis dentro de um raio de 63 m. a criatura afetada é obrigada a obter sucesso em um teste de Vontade (CD 23) ou fica abalada. Sucesso indica que o alvo é imune à presença aterradora de Valraxaxath por um dia. No caso de falha, um criatura com 4 ou menos DV entra em pânico por 4d6 rodadas, e uma criatura com 5 ou mais DV fica abalada por 4d6 rodadas. Valraxaxath é imune a presença aterradora de outros dragões.

Habilidades Similares à Magia: 3/dia — escuridão (raio de 63 m).

Magias: Valraxaxath conhece e conjura magias como um feiticeiro de 5º nível em adição a suas magias de mago.

Percepção às Cegas (Ex): Valraxaxath pode discernir criaturas por meios não visuais (geralmente pela audição e faro, mas também através da percepção de vibrações e outros indícios do ambiente) até um alcance de 63 m. Invisibilidade e escuridão são irrelevantes, ainda que ele não possa discernir criaturas etéreas. Valraxaxath geralmente não necessita fazer testes de Observar ou Ouvir para perceber criaturas dentro do alcance de sua habilidade de percepção às cegas.

Corromper Água (SM): Uma vez por dia, Valraxaxath pode estagnar 1,5 metros cúbicos de água, fazendo a tornar-se imóvel, imunda, e inábil a suportar vida animal. Esta habilidade corrompe líquidos contendo água. Um item mágico (tal com uma poção) ou um item em possessão de uma outra criatura é obrigado a obter sucesso em um teste de Vontade (CD 23) ou torna-se corrompido.

Imunidades: Valraxaxath é imune a ácido, sono, e efeitos de paralisia.

Sentidos Aguçados (Ex): Valraxaxath possui visão no escuro (raio de 210 metros) e visão na penumbra (enxerga quatro vezes mais que um humano em condições de pouca luz). Ele também enxerga o dobro de um humano em iluminação normal.

Respirar na Água (Ex): Valraxaxath pode respirar em baixo d'água indefinidamente e pode livremente utilizar seu sopro, magias, e outras habilidades enquanto submerso.

Magias Conhecidas de Feiticeiro (6/7/5; CD = 12 + nível da magia): 0 — globos de luz, detectar magia, som fantasma, mãos mágicas, consertar, raio de gelo; 1º — recuo acelerado, escudo arcano, ataque certeiro, servo invisível; 2º — invisibilidade, proteção contra flechas.

Magias de Mago por Dia: (4/6/6/6/6/5/5/4/4/2; CD = 18 + nível da magia ou 20 + nível da magia para magias de transmutação).

Grimório: 0 — marca arcana, globos de luz, pasmar, detectar magia, detectar venenos, romper mortos-vivos, brilho, som fantasma, luz, mãos mágicas, consertar, abrir/fechar, prestidigitação, raio de gelo, ler magias, resistência; 1º — enfeitiçar pessoa, compreensão de linguagens, detectar portas secretas, identificação, armadura arcana, mísseis mágicos, mensagem, disco flutuante de Tenser, servo invisível, ventriloquismo; 2º — alterar-se, força do touro, agilidade do gato, chama contínua, detectar pensamentos, esplendor da águia, vigor, arrombar, levitação, localizar objetos, flecha ácida de Melf, ver o invisível; 3º — analisar portal, luz negra, dissipar magia, deslocamento, bola de fogo, velocidade, imobilizar pessoa, lentidão, idiomas; 4º — rogar maldição, detectar observação, porta dimensional, localizar criatura, metamorfosear outros, metamorfosear-se, observação, lança do trovão; 5º — expulsão, imobilizar monstro, a arca secreta de Leomund, criar passagens, permanência, moldar rochas, teletransporte; 6º — círculo da morte, contingência, controlar água, selar portal, visão da verdade; 7º — convocação instantânea de Drawmij, cubo de força, viagem planar, inverter a gravidade, reverter magia, teletransporte exato, desvanecimento; 8º — clone, ordem, discernir localização, evaporação, esfera telecinética de Otiluke, metamorfosear objetos, símbolo; 9º — dominar monstros, sexto sentido, círculo de teletransporte, parar o tempo, encarnação fantasmagórica.

Pertences: tiara do intelecto +6, anel de proteção +6, bola de cristal, manto do carisma +6 (utilizado em formas humanóides somente, bônus não incluído acima). Mestres podem também se desejarem acrescentar mais tesouros a seu acúmulo. Você pode utilizar o Livro do Mestre ou o Livro dos Níveis Épicos como uma fonte para o tesouro!

O talento Substituição de Energia está no Linhagens e Tomos e permite ao conjurador mudar um tipo de energia por um outro nas magias. Todos os outros aspectos da magia são os mesmos. Valraxaxath o utiliza para preparar magias bola de fogo ácidas (cujo qual ele é imune).

Magias Táticas: Ele sempre carrega uma magia teletransporte acelerada no espaço de uma magia de 9º nível e no mínimo uma bola de fogo ácida maximizada (60 pontos de dano) no espaço de uma magia de 6º nível. Quando perambula em cidades, ele geralmente conjura uma magia detectar pensamentos persistente (espaço de uma magia de 6º nível) primeiro. Metamorfosear-se persistente (espaço de uma magia de 8º nível) é uma outra de suas escolhas favoritas.

Valraxaxath viajou pelo mundo enquanto ele crescia, planejando criar um tesouro após em vida. Ele era jovem e aventureiro. Durante seus anos anteriores, ele desenvolveu um ingênuo conhecimento do mundo e a posição dos dragões dentro dele. Dragões não anseiam governar o mundo; eles anseiam ao invés disso acumular toda a riqueza do mundo. Riqueza é poder, e dragões que controlam (leia-se: acumulam) a riqueza de uma área podem exercer controle sobre ela após. Ele viu, de qualquer forma, que dragões não vão obter sucesso nesta meta porque eles não trabalham juntos. Isso ele aprendeu aproximadamente com o tempo enquanto estudava artes arcanas tal como a feitiçaria.

Ele alcançou o maior sucesso com a filosofia “você arranhou minhas escamas, Eu vou arranhas as suas”. Com a aquisição de diferentes dragões cromáticos para trabalhar juntos em projetos de curto prazo, cada um adquire mais riqueza para seu acúmulo. Já que ele se torna “companheiro” de dragões vindos de muito longe há um pouco de perigo de lutarem pelo tesouro. A sociedade tem também ajudado com a defesa do covil. Para facilitar estas sociedades, ele criou uma série de portais que conectam partes remotas e infestadas de dragões de Toril. Ele nunca toma para si qualquer das recompensas destas empreitadas e ao invés disso constrói seu próprio tesouro através de seus próprios esforços ou através da parceria com um novo dragão para o seu conceito.

Valraxaxath prefere não lutar, ainda que ele certamente possa. Ele sempre carrega uma magia teletransporte acelerada para obter uma saída rápida, e seu talento Conversão Arcana permite a ele converter qualquer magia preparada de 5º nível ou maior em um teletransporte. Ele é um excelente negociador, e ele faz muitos bons negócios. Ele tende a viajar disfarçado, geralmente usando uma magia metamorfosear-se persistente para se parecer com um humano (ou qualquer raça que seja mais favorecida em sua destinação) mercador ou nobre rico.



Sobre o Autor

O amor de Robert Wiese pelos jogos iniciou nos Escoteiros, onde você imagina que haveria o suficiente para poder manter alguém distante dos jogos de interpretação de papeis. Durante o colégio ele jogou em algumas grandes campanhas caseiras, e ele descobriu a RPGA Network em um pequeno dia de jogo em 1991. Ele trabalhou para a RPGA Network por seis anos e meio, preenchendo quase cada cargo de responsabilidade que existia em uma equipe, tudo e uma vez ou outra. Agora honradamente aposentado do serviço como o Diretor de Operações da RPGA, ele vive em Nevada e escreve bons jogos de tempos em tempos. Ele também pratica jardinagem um pouco e devota muito tempo como possível a seu amada noiva.

Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.