Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind

Reinos da Fronteira
 
Bloutar
 
Por Ed Greenwood
Tradução por Marcus Vinicius Facin Brisola – Curitiba/PR.


Esta cidade de lenhadores e caçadores encontra-se na margem sul da Floresta Qurth. Fora antigamente o domínio do “Barão Espada Sangrenta”, Bloutar Hilathan, por isso possui tal nome.

Bloutar foi o flagelo de orcs, rivais na disputa pelo domínio da cidade, e de praticamente qualquer coisa viva que chegasse aos seus domínios e falhasse em jurar lealdade a ele. É dito que ele matou não menos que três dragões, o primeiro lutando sozinho, e que foi um homem monstruosamente feio, tão astuto e atento quanto pulso firme e forte em batalha.

O Barão Espada Sangrenta liderou seu pequeno, porém feroz, bando de leais seguidores em incursões sempre vitoriosas pelas terras vizinhas e sobre viajantes que por lá apareciam. Ele montou mesmo depois dos setenta anos para derrotar um rival, Lorde Duque Andilyon Ornth do vizinho (e hoje arruinado) Alto Ducado de Blaemar, que insensatamente julgou Bloutar muito velho para lutar.

No final, Bloutar morreu em sua cama após mais de noventa anos de uma selvagem e briguenta vida. Os muitos filhos que criou prontamente dividiram seu reino e brigaram por ele, deixando, após um século, apenas a cidade nomeada em sua homenagem e os vilarejos Adaga de Deltyn e Empaerla, já cobertos de vegetação pela Floresta Qurth.

Esta pequena remanescente, as Terras Espada Sangrenta, sofreu sob uma sucessão de senhores guerreiros mercenários brutais, até que Klelder Falcão Negro (o guerreiro que fundou e tornou famosa a Companhia do Chifre) conquistou-a juntamente com alguns vilarejos vizinhos. Ela foi nomeada o Baronato do Falcão Negro em sua honra e ele se aposentou ali. Klelder tornou-se inimigo do arquimago Lyrildan de Calimporto, do qual as magias fizeram o reino de Klelder fervilhar de monstros. Klelder morreu no pátio de seu castelo combatendo sete nagas negras muito depois que a maioria de seus comandados havia perecido ou fugido da maldição do mago.

O Baronato do Falcão Negro continuou a gerar coisas com garras, presas e tentáculos por mais três centenas de anos até Lyrildan ser assassinado por um ambicioso aprendiz. Durante este período o baronato tornou-se um perigo muito temido, que tornou as terras ao redor inseguras. Ele ocupou muitos aventureiros e caçadores ávidos, trazendo glória para alguns e a cova prematura para muitos outros. Mesmo atualmente as colinas onduladas e cobertas de vegetação ao redor de Bloutar são conhecidas como um excelente local de caça e as florestas ao redor decididamente como campos de caça perigosos. A reputação da área como perigosa fez dela um refugio para foras da lei, exilados e pessoas procuradas que não ousam ir a outros lugares.

Ao longo dos anos o povo de Bloutar tornou-se conhecido pela independência feroz, austereza, destemido desdém à autoridade e não gostar de estrangeiros. Estas características mantiveram Bloutar sem governo, porém independente até pouco menos de uma década atrás, quando um grande exército vindo do Baronato de Sela Negra dizimou os poucos defensores de Bloutar.

Bloutar, em silenciosa raiva, permaneceu parte do Baronato principalmente pela riqueza produzida pelo comércio através da nova estrada, construída por ordem do Forte Sela Negra. Couro e carne, de bestas provenientes de florestas queimadas, produzidos pelos Bloutaranos são comprados tão rapidamente quanto os locais podem produzi-las. As peles são comercializadas com Derlusk ao norte, para exportação à Calimshan, as cidades estado ao redor do Lago do Vapor e Tharsult, ali são usadas para produzir finas vestimentas de couro que são vendidas por toda Faerûn. Qualquer carismático líder estrangeiro (um clérigo de uma divindade da floresta, um combatente de valor ou até mesmo um grupo de aventureiros bem entrosados) poderia facilmente rebelar Bloutar.

Bloutar é um labirinto de longas e desconexas casas de troncos que parecem surgir dos troncos protetores das árvores, com marcas de carroça riscando o chão em todas as direções que levam às fazendas afora. Poucas clareiras de lenhadores formam centros de rastros de caça que se espalham adentro da vasta escuridão da Floresta Qurth. Caçadores, armadilheiros, exploradores atrás de madeiras raras, aventureiros e outros visitantes são aconselhados enfaticamente a contratar um guia local.

Ao norte de Bloutar, os rastros levam às profundas ravinas onde ursos-coruja espreitam, e aranhas da floresta espalham muitas armadilhas de teia. Quase certamente permitiram que estas meias verdades sobrevivessem, ou são até encorajadas pelos Bloutaranos, para garantir seus empregos e o controle sobre os recursos mais acessíveis da Qurth. Mais de um caçador e sábio comentou (de uma distância segura) a suspeita de que poderosos locais podem ter colocado um flagelo das profundezas numa caverna próxima para produzir incontáveis monstros, pois caçadas lideradas por Bloutaranos raramente falham em trazer dois ou mais destes prêmios.

Além destas defesas e perigos forjados, alguns caminhos levam ao coração da Floresta Qurth por passagens repletas de fungos inteligentes, ruínas de cidades tomadas pela vegetação (incluindo Hawklyn, aonde Klelder fez sua corte). È dito que tesouros repousam esquecidos sob as raízes das árvores e monstros vagam pelos cômodos escuros e paredes arruinadas.

Todo verão, caçadores e aventureiros com gosto por caçar veados e javalis ou lutar com bestas mais obscuras da floresta chegam. Eles encontram acomodação no Alojamento de Althyn (Decente/Moderada; uma velha mas confortável e espaçosa pensão que forma goteiras quando chove) ou O Veado Espetado (Boa/Cara; um salão decorado com bestas fica no centro de três alas de suítes decoradas com móveis maciços e rústicos, com banho de bacia e bom vinho à disposição).



Sobre o Autor

Ed Greenwood é o homem que lançou os Reinos Esquecidos em um mundo que não os esperava. Ele trabalha em bibliotecas, escreve fantasia, ficção científica, terror, mistério e até histórias de romance (às vezes coloca tudo isto em um mesmo livro), mas está ainda mais feliz escrevendo Conhecimento dos Reinos, Conhecimento dos Reinos e mais Conhecimento dos Reinos. Ainda existem alguns quartos em sua casa com espaço para empilhar seus escritos.

Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.