Os Últimos Dias
de Glória
O que é RPG
Página Principal
A Comitiva da Fé
Definição
Histórias
Última História
Personagens
Jogadores
Galeria de Arte
Diversos
Forgotten Realms
 Definição
 Geografia 
 Divindades
 O Mundo
 Organizações
 Personagens
Artigos
 Galeria
Suplementos
Autores
Site
 Matérias
 Downloads
 Notícias
 Parceiros
Links
 Sobre o Site
 Glossário
 Créditos
Mensagens Arcanas
E-mail


powered by FreeFind


Linguagem


Há uma miríade de variedades linguísticas nos Reinos: raciais e expressões regionais, símbolos profissionais e idiomas secretos. Há cinco linguagens escritas universais, e quase tantas línguas diferentes quanto habitantes.

A maior parte das pessoas ao norte do Mar das Estrelas Cadentes são semi-alfabetizadas. O fato da linguagem escrita não ser totalmente compreendida nos Reinos deve-se tanto ao grande número de símbolos e runas como à grande popularidade dos bardos.

Nas classes superiores e profissionais é comum as pessoas saberem ler e escrever. Os membros das companhias de aventureiros são geralmente instruídos, sendo que a alfabetização é, para essas pessoas, uma habilidade às vezes tão importante para a sobrevivência como saber nadar ou desarmar armadilhas. Portão Ocidental, o sul de Sembia, e, talvez, Colinas Distantes nas Terras Centrais, além de Waterdeep na Costa da Espada, são terras de indivíduos predominantemente alfabetizados. Em outros lugares, cada pessoa deve confiar em sua língua, como os viajantes costumam dizer.

Língua Comum: Quase todas as criaturas inteligentes que alguém encontrar podem entender e falar a Língua Comum, o idioma usado pelos humanos no comércio, falado com poucas variações através dos Reinos. De região para região dos Reinos, o comum pode ter sotaques diferentes e pequenas variações no vocabulário, devido à influência de outros idiomas locais, humanos e semi-humanos. Um nativo de Thay vai poder se comunicar com um nativo de Baldur's Gate, cada um percebendo o ridículo sotaque do outro.

De maneira similar, os dialetos das criaturas não-humanas pertencem à mesma arvore linguística, de forma que elfos provenientes de Evermeet, Evereska e da Corte Élfica podem se compreender sem muitos problemas, excetuando-se os causados pelos dialetos e sotaques. Para os humanos, a língua comum dos elfos é conhecida simplesmente como língua élfica, já o idioma comum dos anões é conhecido simplesmente como língua anã. A linguagem comum escrita, apresentada neste texto, como o português, é uma expressão descendente do Thorass, a linguagem de comercio original. A maior parte dos indivíduos utiliza runas para o tráfego de informações.

Thorass, também chamado de Antigo Comum: Thoraas é a antiga linguagem escrita e falada universalmente nos Reinos. Ela ainda é encontrada em tumbas, passagens subterrâneas, habitações antigas, além de ser usada pelos escribas das cortes nobres do sul. Essa é a origem atual da língua comum. Como era usada principalmente para documentos e registros de negócios, bem como por historiadores, esse tipo de escrita não atingiu o uso comum. Uma inscrição em Thorass é traduzida diretamente para o comum, caractere por caractere, embora geralmente use um vocabulário floreado que não é mais usual.

Espruar: Este é o alfabeto que os elfos da lua utilizam para escrever mensagens, seja em comum, ou em suas línguas nativas. O Espruar é uma escrita imponente e, geralmente, cobre jóias e monumentos com formas estilizadas. Raramente é escrito em papel. Quando há necessidade de um registro permanente, os caracteres Espruar são gravados no metal, da mesma forma que os anões costumam fazer com suas runas. As histórias élficas são raras, já que a maior parte dos elfos que participaram dos eventos históricos ainda vivem.

Runas Dethek: Os anões deixaram poucos registros. E incomum, mas, as vezes, eles escrevem em folhas de metal e as amarram em forma de livros. Também gravam suas runas em cavernas, construções e tabuletas.

A típica tabuleta tem forma achatada, biangular e é executada em granito ou outra pedra bem resistente. O texto é contornado por um anel ou espiral, e no centro normalmente contém uma figura. Algumas tabuletas possuem figuras em relevo, que podem ser usadas como selos ou carimbos para marcar terrenos umidos de uma trilha temporária.

Para um anão, todas as tabuletas trazem algum tipo de mensagem. A maior parte delas é escrita em Dethek, que pode ser traduzido imediatamente para o comum ou para o anão. As runas desta linguagem são simples, e normalmente usam linhas retas para facilitar o trabalho de gravá-las na pedra. Não existe pontuação em Dethek. As sentenças são separadas por traços, as palavras por espaços e as letras maiúsculas recebem um traço sobre elas. Números dentro de quadrados são datas, com o dia precedendo o ano, por convenção. Não há ideograma para designar pessoas - clãs ou tribos - nem raças. Se as runas estão pintadas, os nomes de pessoas e lugares são normalmente escritos em vermelho.

Ruathlek: A língua secreta, ou a escrita de magia dos ilusionistas, é raramente encontrada nos Reinos. Os ilusionistas são bastante raros no Norte, embora saiba-se que Waterdeep tenha pelo menos uma biblioteca com livros nessa linguagem de magia. É possível que tal escrita derive de runas mágicas. Os ilusionistas tem acesso a essa linguagem ao escolherem a sua classe. Ela pode ser aprendida por outras pessoas, mas sabê-la não confere a capacidade de lançar magias.


Fonte: Forgotten Realms Campaign Setting 2nd Edition
Os Últimos Dias de Glória © Todos os direitos reservados 2004 - Forgotten Realms™ e seus personagens são marcas registradas da Wizards of The Coast Inc.
This page is a fan site and is not produced or endorsed by Wizards of the Coast. Forgotten Realms is a registered trademark of Wizards of the Coast, Inc.